✓ Resenha com convidado: O Mais Desejado dos Highlanders - Maya Banks

terça-feira, 8 de novembro de 2016



Sinopse: Genevieve McInnis está presa no castelo McHugh, no cativeiro de um líder cruel que tem grande prazer em mantê-la distante de qualquer outro homem. Mas, quando Bowen Montgomery invade os portões em uma missão de guerra, Genevieve redescobre a vontade de viver. A sensualidade robusta de Bowen atiça nela uma sensação profunda que anseia por ser prolongada mediante carícias pacientes e gentis. Algo quente, louco e tentador. Bowen toma conta do castelo de seu inimigo, despreparado para a misteriosa e reclusa mulher que captura seu coração. Ele está encantado com sua determinação feroz, sua beleza incomum e sua força silenciosa e infalível. Contudo, para cortejá-la, será necessário mais do que a habilidade de um sedutor experiente. Ele descobre que amar Genevieve significa devolver a liberdade que lhe foi roubada, mesmo isso que signifique perdê-la para sempre.


Título: O Mais Desejado dos Highlanders
Autor: Maya Banks
Série: Montgomery e Armstrong #2
Gênero: Romance de época
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 400
Onde comprar: R$40,40
Classificação: 9,3 (Ótimo)
Livro cedido em parceria com a editora. 



O Mais Desejado dos Highlanders é tão bom quanto o primeiro livro da série, Seduzida Por Um Guerreiro Escocês!

Hoje viemos com mais uma resenha dupla pra vocês, desta vez por escrito e não vídeo como fizemos na primeira (confira aqui).

Para quem nunca leu uma resenha dupla, vamos explicar: a Mari do Blog Coração de Papel e eu, nos unimos para ler o livro e contar a experiência para vocês.
Os comentários escritos em preto são meus e os em azul são da Mari. Esperamos que se divirtam conosco!

O Mais Desejado dos Highlanders é o segundo volume da série Montgomery e Armstrong escrita pela Maya Banks. Eu(nós!) amei o primeiro livro, Seduzida por um Guerreiro Escocês, e por isso não consegui resistir a iniciar a leitura. A autora consegue uma agilidade na narrativa impressionante nessa série!

Bowen Montgomery é o irmão do Laird do clã Montgomery que é o protagonista no primeiro livro. É o segundo filho, e, junto com a família Armstrong, invadiu a fortaleza dos McHugh. Não vou contar o motivo, pois se você não leu o primeiro livro, isso seria spoiler, mas eu sugiro que leia, porque fará mais sentido na história do segundo volume, apesar de ser com protagonistas diferentes.

A trama continua do ponto onde a anterior parou e Bowen é o responsável em colocar os McHugh na linha, vingar o que fizeram contra a sua cunhada e tomar todas as decisões sobre as terras e o futuro dos inocentes que vivem por lá. Isso até Graeme retornar, pois precisou ir até as terras dos Armstrong.

A princípio a intenção de Bowen é matar Patrick McHugh, pai de Ian, responsável por todo o sofrimento de sua cunhada, mas, ao invés de encontrar a Fortaleza pronta para defender suas terras, se depara com uma criança brandindo uma bandeira branca e outras penduradas nas torres mais altas, indicando que desejavam paz. Irritado por enviarem uma criança para defende-los, Bowen e seus companheiros avançam propriedade adentro e é quando ele e Genevieve se esbarram pela segunda vez.

Genevieve McInnis tem uma aparição pequena no primeiro livro, e praticamente sem importância. Porém aqui vamos descobrir que na verdade, ela foi peça fundamental no final do primeiro enredo. Ela é uma mulher marcada, literalmente, pela maldade de um clã. Era a única filha dos McInnis, era feliz, estava prestes a se casar com um bom homem e viu tudo ruir quando Ian McHugh matou toda a sua comitiva, fez sua família acreditar que ela também morreu e a aprisionou no castelo de seu clã. O horror, a maldade e a desonra se tornaram suas melhores amigas no ano em que viveu em cativeiro, sob o domínio de seu sequestrador.
Apesar de - spoiler e não vou contar - a trama que se emenda com o final do primeiro, antecede em um ano esse primeiro livro. Portanto, vamos conhecer ainda mais da maldade de Ian.

Presa no castelo, Genevieve foi mantida como prisioneira e prostituta de seu laird. Como se não bastasse o estupro constante e a humilhação de ser estuprada até mesmo pelos comparsas de Ian, ele marcou seu belo rosto com uma faca, deixando uma enorme e horrível cicatriz, para que assim, nunca mais nenhum homem sentisse desejo por ela.



Bom, ambientando para quem não conhece a série, a trama se passa por meados de 1700 (deduzimos isso pelo período retratado mesmo), na época medieval na Escócia. Portanto é um romance de época um pouco diferente dos que estamos acostumados. Laird seria algo como um Duque, pois a divisão das terras eram feitas através das batalhas entre clãs.

Toda a trama se resume na forma como ela é tratada pelo clã McHugh, pois a chamam de meretriz e ninguém se importa com o fato dela ser, na verdade, uma vítima de sequestro lutando por sua liberdade. Bowen consegue enxergar além da cicatriz ou do que o clã inimigo fala dela, e é a “luz no fim do túnel” que ela procurava.

O legal é que a Maya voltou a usar uma personagem "deficiente". No primeiro livro, a protagonista possuía deficiência auditiva, aqui nossa personagem é desfigurada em metade do rosto e sua única amiga, é manca (ainda não temos detalhes, e acredito que saberemos nos próximos livros). Eu adoro esse tipo de inclusão, onde a perfeição está além da aparência física. Onde a primeira impressão é uma, mas o personagem cresce em espirito ao longo da trama. Além de trazer veracidade, é uma bela lição. Eu também amo personagens que fogem do estereotipo, só não sei se apostaria em tantas protagonistas “deficientes”, pois não é tão comum uma mesma família ter tantas uniões com noras ou genros com alguma necessidade especial ou deficiência. Se bem que a cicatriz não seria uma deficiência, mas uma deformidade, então funcionou bem para a segunda protagonista. Gosto da ideia de não serem mulheres exuberantes, que encantam à primeira vista. Elas conquistam por serem fortes, firmes, decididas e independentes porque sabem se defender à sua própria maneira.
Eu e a Andréa acreditamos que a amiga manca será a próxima protagonista, por isso meu comentário no parágrafo acima.

Uma coisa que adorei: temos apenas duas cenas hots no livro (eu já queria que tivessem mais, porque a Maya é excelente em construir esse tipo de cena). A autora segurou o romance até seu ápice, conduziu o leitor à paixão antes de qualquer envolvimento profundo e físico. E foi importante essa construção, principalmente pelo trauma que a Genevieve viveu no ano anterior. Não ficaria verossímil uma mulher ser violentada por meses e meses e aceitar ser tocada com facilidade só porque um homem bom apareceu no clã dos McHugh. As cenas são suaves e românticas, dando ainda mais sentimento ao livro. Outro ponto legal é a falta de constrangimento pela sua nudez em diversas cenas, já que foi tratada como meretriz, e viveu em condições não melhores que um animal. Ela acredita ter perdido a dignidade e age de forma a transparecer esse sentimento para o leitor.

Contudo, Genevieve foi estuprada por um ano. A história dela é pesada e muito traumática. Isso me fez pensar no quanto poderia ser difícil se entregar a um homem, já que ela era virgem antes do rapto. Aqui vocês podem perceber que eu discordei da Andréa ne?! Se bem que concordo com ela, acho que deveria ter sido mais difícil aceitar o toque do Bowen, mesmo havendo tanto sentimento entre eles. Enfim, pessoas são diferentes, e a época muito distante da nossa, talvez na mente da protagonista o amor pelo seu salvador tenha compensado todo o trauma, embora quem já viveu algo parecido, provavelmente discorde. Ou ela se agarrou à ideia de que os Montgomery seriam a sua salvação com tanto afinco, que não se sentiu ameaçada ou perturbada quando um deles se aproximou com intenções sensuais.

Como todo bom romance de época, temos um clichê final, mas para os mais exigentes, eu garanto que o ritmo da narrativa e a alma que a autora coloca na obra, é o suficiente para convencer até mesmo os pequenos pontos de incoerência e vícios de escrita que leitores mais atentos podem pegar. Vale super a pena!

Encerro com a mesma opinião. Amei a leitura, apesar dos vícios de linguagem (mesmo apelido utilizado por vários personagens) e certas coisas que ocorreram mais para o final que ficaram com uma explicação precária. Acho que a autora se empolgou no desenrolar dos acontecimentos e quis um final mais satisfatório para o casal. Eu fiquei feliz por eles, muito feliz e quero que todo mundo leia para comentar com a gente o final (ou do clichê final hahahaha).

Não vejo a hora de ler um livro com um dos homens Armstrong como protagonista. Eles parecem ser mais difíceis de ver o “todo” e aceitar com facilidade que a mulher pode ser mais que uma carregadora de filhos, costureira, cozinheira, organizadora de lares e aliviadora de desejos masculinos. Gosto de “homens das cavernas” engolindo seus egos e amadurecendo ao longo da trama. Tanto Bowen como o Graeme se mostraram bem à frente do tempo e tenho fé que um Armstrong será mais marrento nesse aspecto.

Esperamos que tenham gostado da nossa resenha dupla e ficado com uma enorme vontade de ler a série também! Que venham os próximos!



Consideração da tabela:

A notas com asterisco (*) são as da Mari.
Importante ressaltar que eu li a versão física e a Mari leu em e-book oficial.
A nota final de ambas foi a mesma.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

6 comentários:

  1. Ameiii nossa resenha dupla!! Espero que façamos um monte! hahaha

    Beijão, Mari

    ResponderExcluir
  2. Oi! Eu adorei essa resenha dupla, senti como se ambas estivessem ao meu lado comentando sobre o livro. Eu tenho o primeiro volume mas ainda não li, acho que fica um pouco confuso para quem ainda não leu a história (me senti assim ao ler a resenha), mas sei que irei sanar minhas dúvidas ao longo da leitura.
    Falando nisso, o que me chamou atenção foi esse fato das protagonistas terem defeitos que não se poderiam mudar, e isso é totalmente diferente do que estamos acostumados.
    Amei, amei! (Só a capa que é realmente feia...)
    Beijo, Leitora Encantada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aiii mega feliz que gostou do formato da resenha! Vamos tentar fazer sempre! <3
      Pois é, tentamos ao máximo não soltar spoilers, então fica meio confuso mesmo pra quem não leu. Leia, são ótimos tanto esse quanto o primeiro!
      Bjus! Obrigada pelo comentário! <3

      Excluir
  3. Perfeita essa resenha, parabéns!!!
    Pra começar, a capa já me ganhou, mas o enredo....Aaain eu amei! Espero conseguir ler em breve!
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom saber que gostou da nossa formula d resenha rsrs
      Se gosta de romance de época, precisa ler! Vai amar!
      Bjus! <3

      Excluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.