✓ Resenha: A Última Estrela - Rick Yancey

sábado, 2 de setembro de 2017



Sinopse: O inimigo são os Outros. O inimigo somos nós mesmos. Eles vieram até nós porque querem a Terra. Vieram para acabar conosco. Vieram para nos salvar. Eles não inventaram a morte, mas a aperfeiçoaram. Deram um rosto a ela, porque sabiam que era a única maneira de nos exterminar. Por quê? Quem são eles realmente? O que querem de verdade?Atrás de tantas perguntas e enigmas, há uma verdade: Cassie foi traída. Zumbi, Especialista, Nugget também. E todos os 7,5 bilhões de habitantes da Terra. Traídos pelos Outros, traídos por si mesmos. E tudo terminará onde começou no campo de batalha que é o coração humano.
Nos últimos dias da Terra, os sobreviventes precisarão decidir o que é mais importante: salvar a si mesmos ou salvar o que nos torna humanos.
Do fenômeno mundial Rick Yancey, A Última Estrela invoca triunfo, perda e ações implacáveis nesta trama sensacional que narra como o destino da humanidade é decidido.

Título: A Última Estrela (Skoob)
Autor: Rick Yancey
Série: A 5ª Onda
Gênero: Ficção Científica
Editora: Fundamento
Páginas: 264
Onde comprar: Amazon / Saraiva
Classificação: 9,5 (Excelente!)
Livro cedido em parceria com a editora.




Contém spoiler dos livros anteriores.

A Última Estrela é o terceiro e último livro da série A 5ª Onda. Nesta obra, temos uma explosão de sentimentos, emoções, angústias e perdas que nos acompanham durante a luta dos humanos contra os alienígenas, no qual o amor é o desfecho final da batalha.

Em A 5ª Onda, o mundo foi tomado por quatro ondas: na primeira um pulso eletromagnético cortou a atmosfera, acabando com a eletricidade. Isso veio acompanhado de uma nave de casca cinza-esverdeada, quase do tamanho de Manhattan, e mísseis teleguiados. A segunda trouxe abalos tectônicos; na terceira, um vírus 97% mortal passou a ser transmitido pelas fezes de pássaros. Na quarta onda, um em cada três humanos é um deles: um infestado.

Cassie Sullivan – a garota que sobreviveu sozinha na floresta, Sam, Especialista e Zumbi – soldados fortemente treinados para combater os Outros, e a misteriosa figura de Evan Walker, irão unir forças para, não apenas sobreviverem, como também salvarem a existência humana dos Outros, alienígenas que pretendem extinguir a raça humana. A quinta onda já foi lançada e, nela, não pode-se confiar em mais ninguém.

“− Sem confiança não há cooperação. E sem cooperação não há progresso. A história para.” (p. 45)

Após O Mar Infinito, a caçada contra os humanos sobreviventes continua, onde as ameaças surgem de onde menos imaginamos, inclusive na figura de um padre.

“[...] O apocalipse sonhado pela humanidade desde a aurora de sua consciência finalmente será entregue – não por um deus irado, mas indiferentemente, tão frio quanto o pequeno padre quando enterrou a faca no coração de suas vítimas” (p. 16)

Especialista, após fugir das garras do coronel Vosch, modificada pela tecnologia alienígena, precisa encontrar Evan. O tempo está se esgotando e a extinção de todas as cidades e de qualquer vida humana está cada vez mais próxima. Cassie, Sam e Zumbi precisarão de todas as suas forças para sobreviverem.

Os personagens irão enfrentar o que for preciso para salvarem a humanidade e a si mesmos. Zumbi não irá desistir de encontrar Especialista, ao passo em que Cassie partirá em uma missão praticamente suicida para resgatar Evan.

“Reduzir a população humana a um número sustentável, depois tirar a humanidade de dentro dela, visto que a confiança e a cooperação são ameaças reais para o delicado equilíbrio da natureza, os pecados inaceitáveis que impeliram o mundo para a beira do penhasco. Os Outros concluíram que a única forma de salvar o mundo era aniquilar a civilização.” (p. 19)

O livro aborda questões muito profundas sobre a humanidade e o amor. A humanidade é justamente o elo mais forte dos humanos: o traço mais difícil de apagar, mas também o mais fatal: tirando nossa humanidade, não resta nada.

“A principal falha na humanidade era sua humanidade. A tendência humana inútil, atordoante e autodestrutiva de amar, de se identificar, de sacrificar, de confiar, de imaginar qualquer coisa fora dos limites da própria pele – essas coisas levaram as espécies para a beira da destruição. Pior, esse organismo ameaçou a sobrevivência de toda a vida na Terra.” (p. 211)

O amor estará presente tanto entre os personagens como o amor pelos seres humanos no geral. Eles lutam pela sobrevivência humana mesmo que isso custe suas vidas, aliás, eles sacrificam-se por essa sobrevivência. O amor surge como a resposta para combater a invasão alienígena: tecnologia alguma pode compreender ou combater tal sentimento. O amor é a resposta de muitas perguntas. 

A trama também nos faz refletir sobre o modo em que, apesar dos seres humanos possuírem capacidade de amar e ter empatia com os outros, destruíram outros organismos vivos essenciais para a própria sobrevivência, refletindo sobre o próprio motivo dos alienígenas.

“O que são vocês? O pastor reúne o rebanho. O construtor compra inseticida. O sangue do cordeiro em seus joelhos, a agitação da barata em suas costas. Nenhum dos dois tem ideia da faca ou do veneno. O pastor e o construtor não vão perder seu sono. Não há nada imoral nisso. É assassinato sem crime, matar sem pecado.” (p. 200)

As narrativas são intercaladas por Cassie, Especialista, Zumbi, Evan Walker e até mesmo Sam. Passamos pela pele de cada um, compreendendo as dores e as motivações de todos, o que torna a leitura dinâmica e envolvente.

Apesar de todos os personagens mudarem ao longo da obra, a meu ver, quem mais evoluiu foi Sam, o irmãozinho de Cassie de apenas seis anos. Sua mudança de uma criança para um soldado é extremamente marcante. Até mesmo perturbadora, afinal, ele sequer lembra de coisas simples como o abecedário, mas sabe perfeitamente técnicas de combate ou como criar uma bomba. Ele torna-se um guerreiro, e sua infância simplesmente se perde. O garoto, apesar da pouca idade, aprende a suportar todas as situações. 

“Ele tinha esquecido o ABC, mas se lembrava das lições de combate. O seu esquadrão antes de Deus, foi o que lhe ensinaram. Ele se lembrava apenas de traços vagos da mãe, mas conhecia os rostos deles, de Dumbo e de Teacup, de Pão de Ló e Oompa e Flintstone. Seu esquadrão. Seus irmãos e irmãs. Ele não se lembrava o nome da escola ou a aparência da rua em que morou. Essas coisas e outras centenas desaparecidas para sempre não importavam mais. Agora só uma coisa importava, o grito do estande de tiro e o curso de obstáculos se erguendo das gargantas do seu esquadrão: Piedade nunca!” (p. 121)

Zumbi, apesar de um ótimo soldado, conseguiu manter muito de sua humanidade, fazendo o bem mesmo que ache que está sempre agindo de maneira ruim. Ele não lida nada bem com a dor, e se culpa pela perda da irmãzinha e dos outros recrutas. Porém, ele é um dos personagens que mais se manteve empático durante a trama. Especialista também sofreu muitas mudanças, quebrando um pouco de sua “casca”, a armadura que a impedia de sorrir.

E Cassie, a garota durona, mesmo que às vezes aja de modo sentimental ou impulsivo, continua mantendo-se forte para manter a salvo seu irmão e possuindo uma coragem única. Um ponto que achei legal na trama foi que, em determinado momento, Cassie simplesmente sente vontade de urinar durante a missão. Uma coisa tão simples e humana e muito pouco citada nas histórias de apocalipse. Eu mesma sempre me questiono sobre como os personagens estão fazendo suas necessidades enquanto lutam pela vida, rs, e sentir que Cassie é alguém como nós traz uma veracidade maior tanto para a história quanto para a personagem.

“Ela era a efemérida, aqui por um dia, depois desaparecia. Ela era a última estrela, queimando brilhante em um mar negro infinito.” (p. 184)

Evan Walker, o misterioso Silenciador, surge não apenas como uma mistura de humano e alienígena, mas como um possível defeito da poderosa tecnologia dos Outros.

O cenário, apesar da catástrofe ocorrer em nível global, mantem-se na região da América do Norte, e durante a trama o campo de batalha se tornará as cavernas que abrigam sobreviventes, a base militar onde se encontra Vosch e, até mesmo, os corações humanos.

Confesso que, dos três livros, A 5ª Onda – o primeiro livro da série – foi o meu preferido. A proposta é muito criativa, temos uma mistura de catástrofes naturais, invasão alienígena e o próprio mal causado pelos humanos, em meio à suspense e muitos mistérios. Os livros seguintes continuam a trama e dão um bom desfecho, porém me senti mais envolvida no primeiro livro que nos demais, apesar de ter gostado muito da obra completa. O ponto forte da série é a reflexão sobre a humanidade e o amor como nosso bem mais valioso.

A capa de A Última Estrela está muito bonita, assim com a diagramação. O único ponto que realmente deixou a desejar foi a revisão, onde pequenos errinhos passaram despercebidos.







Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

14 comentários:

  1. Amanda!
    Tenho o primeiro livro dessa série aqui, mas ainda não li.
    Gosto dos livros de ficção com Aliens e quando se unem em prol de um objetivo, toda trama fica ainda mais excitante.
    E gostei de ver que o livro é narrado por várias personagens, assim podemos ter uma visão mais ampla.
    Desejo um mês repleto de realizações e um final de semana de alegrias.
    “A sabedoria é um adorno na prosperidade e um refúgio na adversidade.” (Aristóteles)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bom?
    Gostei da resenha, eu ainda não tive a oportunidade de ler A 5ª onda, mas tenho muita vontade de ler, vi o filme e gostei muito, ainda não li nenhum livro que tivéssemos invasão de extraterrestre, acredito que irei gostar do estilo.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  3. Pensei que essa séria tinha mais livros,que bom ser uma trilogia,anima mais pra começar quando a história não se estende tanto.
    Tem o filme da 5º Onda tbm,não?Na época do lançamento fiquei interessada por ter a Chloe Moretz no papel principal,mas não cheguei a ver.

    ResponderExcluir
  4. Oi Amanda, o único contato que tive com essa história foi através do filme, curti e quero muito ler os livros. Gostei de saber que o desfecho te agradou mesmo que o primeiro livro ainda tenha sido melhor. Pelo que vi na resenha são muitos narradores e mesmo não gostando tanto dessa proposta os narradores parecem carismáticos. Gostei da resenha, espero ter a oportunidade de ler a trilogia no futuro ;)

    ResponderExcluir
  5. Oi Amanda,
    Li o primeiro livro da série e assisti o filme.
    Mas me apaixonei na leitura, sou super fã de tramas com aliens e humanos e me envolvi super com os personagens na leitura.
    Ainda não tive oportunidade de ler ons outros livros, mas estão na lista.
    Ótima resenha!

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  6. Uau, que livro! Queria muito assistir a adaptação desse livro, mas ainda não consegui pois quero primeiro ler os livros para depois ver o filme, apocalipse são um dos temas que mais gosto em livro e misturados com invasões alienígenas, fica melhor ainda, acho que se eu lesse, sentiria muita pena do Sam, é realmente triste ver uma criança de 6 perdendo sua infância e sendo obrigado a amadurecer pela sua própria sobrevivência.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oi Amanda.
    Eu quero muito ler os livros, mas fiquei com medo de ter ai um certo triangulo amoroso, coisa que não sou nenhum pouco fã, mas enfim, adorei que o livro traz uma mensagem sobre o que é o amor e fé, estou ansiosa para saber o desfecho nessa luta pela sobrevivência da humanidade.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Oi Amanda.
    Não li a resenha na íntegra, pois quero muito ler a série A 5a. onda e não queria pegar spoilers.
    Achei bem interessante a narrativa ser alternada entre diferentes personagens. Assim temos pontos de vistas diferentes e deixa a leitura bem dinâmica.
    É bom saber que você gostou do livro, apesar de ter gostado bem mais do primeiro livro.
    Espero ler essa série em breve.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Nunca ouvi falar dessa série, mas agora fiquei interessado. Adoro fantasia, mas nunca li uma ficção cientifica, deve ser muito louco ler um desses.

    ResponderExcluir
  10. Ainda não li essa série, mas estou louca pra lê-la. Eu só vi o filme e gostei bastante. Adoro tema de humanidade e aliens e sua sobrevivência ao meio disso.
    Parece ser uma série cheia de ação, aventura, amizade e romance.
    Gostei da resenha, beijos.

    ResponderExcluir
  11. Nao li a série, mas acho que é porque a premissa não me agradou tanto quando eu vi pela primeira vez. Mas eu gostei muito dessa premissa dos personagens e de como eles estão inseridos, de uma forma que juntos façam coisas extraordinárias. Eu adoro quando aborda a humanidade e o amor juntos por que traz muitas reflexões.
    Adorei a indicação! Obg

    ResponderExcluir
  12. Comprei o primeiro livro a um tempo e ainda não tive coragem de ler. Vou ver se esse mês começo logo essa série.

    ResponderExcluir
  13. Li muitas resenhas sobre o primeiro livro ( mas isso a bastante tempo) confesso que nem sabia que se tratava de uma série, mas bacana ver que mesmo no ultimo livro a proposta da série, continua boa e com um final satisfatório. Creio que seria uma leitura diferenciada, mas irei pesquisar mais sobre ela, antes de adicionar ela a lista de desejados.

    ResponderExcluir
  14. Oi Amanda,
    Ainda tenho esperanças de ler esta trilogia, mas em meio a tantas outras que tenho interesse a história criada por Rick Yancey não tem tido prioridade. Toda a proposta da trama é muito interessante e gostei do que vi no filme, mas esperava mais e acho que isso só encontrarei nos livros. Depois de toda a introdução, acredito que este livro é para aprofundar as questões que não foram muito abordadas nos livros anteriores. Tenho curiosidade em saber como Cassie e seus companheiros irão lidar com todo o conflito, guerras e quais abordagens serão necessárias para salvar a humanidade.

    ResponderExcluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.