✓ Resenha: Sono - Haruki Murakami

terça-feira, 29 de agosto de 2017







Sinopse: "É o décimo sétimo dia que não consigo dormir." Ela era uma mulher com uma vida normal. Tinha um marido normal. Um filho normal. Ela até podia detectar algumas fissuras nessa vida aparentemente perfeita, mas nunca chegou a pensar seriamente nelas. Até o dia em que deixou de dormir. Então, o mundo se revelou. Um mundo duplo de sombras e silêncio; um mundo onde nada é o que parece. E onde ela não pode mais fechar os olhos. Sono é um conto de Murakami inédito no Brasil, com ilustrações de Kat Menschik.


Título: Sono (Skoob)
Autor: Haruki Murakami
Gênero: Ficção
Editora: Alfaguara
Páginas: 116
Onde comprar: Amazon / Saraiva
Classificação: 9,0 (Ótimo)
Livro cedido em parceria com a editora. 





Murakami propõe uma obra repleta de metáforas e reflexões. Temos uma narrativa de leitura fácil e envolvente, com palavras simples e um tom de suspense que prende o leitor nas páginas. 

A edição está linda, com capa dura, letras grandes e várias ilustrações muito bonitas em seu interior. A revisão e a diagramação também estão impecáveis.

Um aspecto peculiar da obra (e acredito que também do autor) é de que os personagens não recebem nomes, são tratados apenas por "mulher", "marido" e "filho". Acredito que tal característica seja para deixar um ar de proximidade com o leitor e também de indiferença: a história poderia estar ocorrendo com qualquer um, inclusive com nós mesmos. O fato de não estar ambientado em nenhum cenário específico também passa essa sensação, de que a trama poderia ocorrer em qualquer parte do mundo.

A história trás uma mulher em seu 17º dia sem dormir. Um episódio parecido já havia acontecido com ela durante a época da faculdade, o qual durou cerca de um mês. Um mês onde ela se sentia indisposta, sonolenta e como se vivesse em uma nuvem, porém toda vez que tentava dormir, seu organismo se mantinha alerta. Durante este período perdeu seis quilos. Quando finalmente conseguiu dormir, o fez por vinte e sete horas seguidas e se sentiu perfeitamente normal de novo.

“A sensação era de que sem avisar a minha consciência se dissociava do corpo. O mundo ondulava, isento de sons.” (p. 7)

Mas dessa vez era diferente. Ela não conseguia dormir, sequer cochilar, não sentia sono e sentia-se muito mais disposta, com uma vitalidade surreal. Sentia-se perfeitamente bem, então passou a ocupar suas madrugadas com uma boa leitura de Anna Karenina, acompanhada de conhaque e chocolate. Durante a tarde, aumentou seu tempo de exercícios físicos, passando de trinta minutos à uma hora de natação por dia, por pura disposição extra.

“Ninguém percebeu que mudei. Ninguém percebeu que eu não dormia, que eu estava lendo um livro extenso e que minha mente estava a centenas de anos, a milhares de quilômetros de distância da realidade.” (p. 73)

A personagem principal leva uma vida normal. Ela possui trinta anos, é dona de casa e casada com um dentista, eles tem um filho. Sua rotina é sempre a mesma: possui horário certo para preparar o almoço, já seu marido almoça em casa, tem o horário para as compras, para preparar a janta e cuidar do filho. Não é uma vida ruim, afinal, ela ama sua família, mas é uma rotina bem monótona. A partir do momento que ela não consegue dormir, começa a pensar nisso cada vez mais. Em como o dia presente é igual ao passado e será igual ao próximo dia: ela poderia voltar vários dias e eles ainda seriam os mesmos, exceto por alguns passeios de domingo ou jantares com a sogra. 

Após algumas semanas sem dormir sequer por um segundo, começa a se preocupar, afinal, é bastante anormal. Várias hipóteses surgem em sua cabeça, inclusive que ela poderia ser uma evolução da espécie humana: alguém que não precisa mais dormir. Porém, sem vontade de ir ao médico e ser submetida a vários exames, ela simplesmente continua sua vida como se nada estivesse acontecendo.

“Durante a primeira semana reli três vezes Anna Karenina. Quanto mais eu lia, mais eu descobria coisas novas. Esse longo romance possuía muitos segredos e estava repleto de respostas. E nas respostas descortinava-se um novo segredo. Era como uma caixa artesanal, em que dentro de um mundo havia outro mundo pequenino e, no interior deste, outro mundo ainda menor.” (p. 86)

A obra possui uma reflexão bem profunda em relação à monotonia da vida, a dias iguais e a falta de perspectiva de algo maior. Assim como a personagem, paramos para pensar o que estamos fazendo de nossas vidas.

O ritmo da narrativa nos dá uma sensação de pressa, eu li o livro todo em apenas uma tarde, desesperada por respostas. Mas se você deseja respostas, meu caro leitor, é melhor escolher outra leitura.

Murakami não quer saber de respostas em "Sono", mas sim proporcionar uma leitura acelerada, com mistério, reflexões e metáforas, e um final que será interpretado de modo diferente por cada leitor. Durante a narrativa, senti que a mulher ficava a cada momento mais paranoica, questionando-se o tempo todo sobre o que está acontecendo com ela, passando a refletir sobre a morte e, se ela morrer, o que ela fez em todo esse tempo além de viver uma vida monótona.

Confesso que esperava outro final, porém, pesquisando mais sobre o autor, vejo que a obra é exatamente como deveria ser. Não é um livro para solucionar dúvidas mas sim para colocar mais e mais reflexões na cabeça dos leitores. Como meu primeiro contato com Murakami achei a obra incrível, é uma leitura rápida e cheia de significados, abordando um dos meus temas preferidos, o sentido da vida (mesmo que de forma bem subjetiva).

“As lembranças do que tinha acontecido antes de eu não poder dormir parecem se distanciar rapidamente. É uma sensação muito estranha. É como se aquele eu que dormia diariamente não fosse eu, e que as lembranças daquela época não fossem minhas.” (p. 107)

Notamos que a personagem muda muito durante o período em que experimenta uma vida sem precisar dormir. Como se a pessoa que dormia, e essa nova, fossem pessoas completamente diferentes, com raciocínios diferentes e uma visão do mundo que não se encaixa mais.

Um único ponto que me incomodou, de certa forma, é a passagem que ocorre antes da personagem não conseguir mais dormir. Durante a noite, ela tem um pesadelo acordada, algo que pode ser interpretado como uma paralisia do sono, uma alucinação, algo real, enfim, pode haver vários significados. Durante este episódio, um senhor idoso vestido de preto joga água em seus pés. A cena é bem desconfortável, porém não consegui estabelecer um significado. Até pesquisei alguns costumes japoneses na internet, pois realmente fiquei intrigada com este trecho. Também dei uma olhada em outras resenhas no Skoob, e percebi que muitos tiveram as mesmas dúvidas que eu e, inclusive, decepções quanto ao final.

Outro ponto interessante é que há uma citação em outra obra do mesmo autor (Ouça a Canção do Vento & Pinball 1973) que se encaixa perfeitamente em "Sono", até parece uma frase feita para ele: "Sempre a mesma repetição do dia anterior. Se você não fizesse uma dobra para marcar o tempo em algum lugar, um dia se confundia com o outro." Diria até mesmo que essa frase resumiria muito do que o autor deseja transmitir com esta obra.

Desta forma, a obra é bem interessante e recomendo a leitura para todos que gostam de terminar um livro e passar horas pensando nele, rs. Também te aconselho a não esperar respostas, mas sim abrir a mente para novas reflexões.








Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

16 comentários:

  1. Oi Amanda, apesar de achar a premissa dessa história interessante e ter curtido a resenha, acho que alguns pontos iriam me incomodar durante a leitura, como o fato dos personagens não terem nomes, creio que comigo ao invés de me aproximar dos personagens eu iria criar uma barreira para com eles, e o final em aberto trazendo muitas reflexões mas sem respontas também não é algo que eu goste. Ainda assim, acho que pra quem curte mesmo o gênero, o que eu faço bem pouco, a história pode ser interessante ;)

    ResponderExcluir
  2. Confesso que lendo sua resenha o que eu queria mais saber era o motivo da personagem não conseguir dormir, e o motivo de não procurar ajudar, e apenas ficar se questionando aquilo, e tentando compreender o que estava acontecendo. A premissa e muito bacana, inclusive muito interessante e curiosa, e parece prender o leitor, eu por exemplo me senti muito cativa ao ponto de querer ler a obra. A edição está linda, e acredito que tenha muito haver com o conteúdo desta estória.

    Participe do TOP COMENTARISTA de AGOSTO, para participar e concorrer Ao livro "Dois Mundos", o primeiro da série "Tesouros da Tribo de Dana" da escritora Simone O. Marques, publicado numa edição linda pela Butterfly Editora.
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu já li o livro 1Q84 desse autor e gostei muito do livro. Eu não conhecia esse livro, mas fiquei com bastante vontade de ler ele. Achei a história super interessante! Eu nem consigo imaginar como é ficar tanto tempo sem dormir (uma vez que eu fiquei 2 dias inteiros sem dormir, já estava super morta!). Fiquei bem curiosa para saber mais dessa mulher, e para entender o significado desse pesadelo que ela teve. Adorei a dica!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Amanda!
    O estranhamento já começa quando, após vários dias de privação do sono, a protagonista se sente bem. Neurologicamente falando é impossível, entretanto, comom é ficção, temos de aceitar...
    Acredito que o livro sirva mais como uma reflexão de como conduzimos nossas vidas.
    Gosto dos finais abertos porque dão margem a imaginarmos da forma que achamos melhor.
    Nunca li nada do autor, porém como gosto de leituras 'loucas' e diferentes, gostaria de conferir.
    Desejo uma semana mais que tranquilo e abençoado!
    “Deus com Sua infinita Sabedoria, escondeu o Inferno no meio do Paraíso para que nós sempre estivéssemos atentos.” (Paulo Coelho)
    Cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Que bom ver a resenha de Sono por aqui, ele está na minha lista de leitura.
    Já li outras obras do Murakami, é gosto de ver outras impressões, há cenas que me sinto na superfície e o real significado permanece curvo, essa do senhor idoso vestido de preto jogando água em seus pés parece um perfeito exemplo, mas gosto disso, de explorar e deixar o nonsense guiar.
    É exatamente isso:"não é um livro para solucionar dúvidas mas sim para colocar mais e mais reflexões na cabeça dos leitores"

    ResponderExcluir
  6. Nossa! sério que a tudo isso nesse livro? Bem intrigante e bem reflexivo. Como você falou no final da resenha acho que eu iria adora ler esse livro pos amo ficar pensando sobre o que li, fico doido pra conversar com alguém sobre o livro. Queria ver uma foto das ilustrações. Mas amei a resenha me deixou com água na boca!

    ResponderExcluir
  7. Oi, Amanda!!
    O livro sem dúvida trás uma proposta bem diferente do que estamos acostumados em ver em outras estórias. Principalmente por que algum não procuraria ajuda se não consegue dormir? E mas passar tanto tempo sem dormir e certamente preocupante. Mas pelo que vi na resenha o autor quer mais explorar o lado reflexivo da estória.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  8. Oi Amanda.
    Essa é a primeira vez que vejo falar de uma livro com essa temática, achei tudo muito interessante e o fato de que ela não consegue dormir me deixou super curiosa par saber o desfecho final do livro, adorei que há ai uma reflexão sobre a monotomita da vida cotidiana, enfim não vejo a hora de ler.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Olá, me parece ser uma leitura gostosa de ser fazer e bem rápida por ser um livro pequeno, mas ao mesmo tempo bem intrigante e cativante. Acho que me incomodaria um pouco o fato de que os personagens não tenham nomes, não sei se é algo que vai me agradar ou não. Passar tantos dias sem dormir é algo bem preocupante e fora do normal. Quero ler mais sobre esta historia e poder ler como vai ser o final desta trama.
    Adorei a dica, beijos.

    ResponderExcluir
  10. Oi Amanda.
    Ainda não li nada do autor, mas achei a premissa desse livro bem interessante.
    Acho que ficar tanto tempo sem dormir, põe a vida em perspectiva se a sua rotina é sempre a mesma.
    Acho que como você também tentaria ler o livro o mais rápido possível para encontrar respostas. Pena que não é o que acontece rs Apesar disso, gosto de finais em aberto para fazer reflexões ou interpretar da forma que eu quiser.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia o livro e nem o autor, mas eu adoro quando as edições são em capa dura!
    Nunca havia visto algo do tipo, mas gostei bastante da premissa.
    Eu aproveitaria intensamente a leitura, mas fato de não encontrar respostas creio que me deixaria bastante incomodada.
    Ótima resenha.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  12. Fiquei curiosa com os motivos da personagem não conseguir dormir, porque como pode uma coisa dessas? é sobrehumano. Mas, a proposta é diferente e gostei que o autor trouxe muitas reflexões sobre o tema. Intrigada pra saber como ele abordou isso, mas tenho toc de saber o porquê das coisas que se passam na história. Acho que vou ficar muito agoniada por não saber as perguntas que ele faz na história.

    ResponderExcluir
  13. Não conhecia os livros e nem o autor, parece ser bom, e bem diferente, pois não temos nomes do personagem, fiquei curiosa para saber mais sobre o que vai acontecer com a mulher, porque ela não precisa mais dormir. Quando for ler, tentarei me lembrar de não procurar respostas hahahaa, pois sou muito curiosa.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  14. Oi Amanda,
    Não conhecia esse livro e apesar de prever que alguns pontos iram me incomodar durante a leitura achei a proposta muito interessante. Todas as reflexões geradas por essa história instiga o leitor a parar e pensar em como está vivendo cada dia. Se aprendermos a valorizar as coisas mais simples e singelas, acho que a temida monotonia passa longe.
    É uma leitura rápida, mas repleta de significados que geram sentimentos conflituosos únicos para cada leitor. A escolha do autor em deixar um final em aberto é uma sacada, só que o suspense sem resposta desamina um pouco:/
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Não tinha conhecimento do autor, mas a trama do livro é bem diferente e interessante, fiquei bem cismada com a historia, ainda sim me chamou bastante atenção. Faz com o que leitor pense sobre tudo, reflexione sobre a historia e porque o autor fez assim, com certeza haverá muitas perguntas sem resposta.

    ResponderExcluir
  16. Nossa que diferente , uma proposta inovadora ou excentrica é sempre bem vinda , desperta a atenção e curiosidade foi assim que me senti lendo a resenha , fiquei curiosa para ler , não conheço esse autor ,mas ja curti pela criatividade de criação .

    ResponderExcluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.