✓ Resenha: O Perfume da Folha de Chá - Dinah Jefferies

quarta-feira, 23 de agosto de 2017


Sinopse: Um homem atormentado por seu passado. Uma mulher diante da escolha mais terrível de sua vida.
Em 1925, a jovem Gwendolyn Hooper parte de navio da Escócia para se encontrar com seu marido, Laurence, no exótico Ceilão, do outro lado do mundo. Recém-casados e apaixonados, eles são a definição do casal aristocrático perfeito: a bela dama britânica e o proprietário de uma das fazendas de chás mais prósperas do império.
Mas ao chegar à mansão na paradisíaca propriedade Hooper, nada é como Gwendolyn imaginava: os funcionários parecem rancorosos e calados, e os vizinhos, traiçoeiros. Seu marido, apesar de afetuoso, demonstra guardar segredos sombrios do passado e recusa-se a conversar sobre certos assuntos.
Ao descobrir que está grávida, a jovem sente-se feliz pela primeira vez desde que chegou ao Ceilão. Mas, no dia de dar à luz, algo inesperado se revela. Agora, é ela quem se vê obrigada a manter em sigilo algo terrível, sob o preço de ver sua família desfeita.

Título: O Perfume da Folha de Chá (Skoob)
Autor: Dinah Jefferies
Gênero: Romance/Drama
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 432
Onde comprar: Amazon / Saraiva
Classificação: 10 (Excelente!) 
Livro cedido em parceria com a editora.





A obra inicia no ano de 1925. Gwendolyn é uma jovem de apenas 19 anos que deixa a Inglaterra e a casa dos pais para se casar com Laurence Hooper, um viúvo de 37 anos, plantador de chá e dono de uma fazenda no Ceilão.

Apesar de amar Laurence e estar feliz com o casamento, as mudanças assustam Gwen e o fato de viajar sozinha a deixa ainda mais desconfortável. Contudo, tudo ocorre bem durante a viagem e a fazenda no Ceilão é um local muito grande e bonito, com um belo lago, plantas e animais da região.

Logo as dificuldades alcançam Gwen: o clima na fazenda é muito quente, há vários empregados na casa - que agora serão sua responsabilidade -, ela sente saudade dos pais e, o fato de Laurence passar mais tempo do que ela gostaria trabalhando, faz com que se sinta sozinha. Também não consegue manter uma boa relação com sua cunhada, Verity, que insiste em se meter nos assuntos do casal, além do mistério sobre a falecida esposa de Laurence.

Aos poucos, ela nota que Laurence parece distante, e o fato de dormirem em quartos diferentes torna isso ainda mais estranho. Para piorar, conhece Christina, uma mulher do passado do marido que aparece para deixá-la ainda mais insegura. Porém, ao engravidar, Laurence se torna muito mais amável e Gwen imagina que sua vida irá melhorar. Mas algo ocorre durante a gravidez e o mistério passa a rolar ano após ano, se tornando uma enorme bola de neve que ameaça sufocar Gwen.

“Compreendeu que um lar não era apenas um lugar. Era sua relação diária com tudo o que tocava, via e ouvia. Era a certeza da familiaridade, a tranquilidade de saber exatamente por onde andava. Os tecidos, os fios, os cheiros: a cor exata da xícara de chá de manhã, Laurence baixando o jornal antes de sair para trabalhar e Hugh subindo e descendo a escada mil vezes por dia. Mas agora havia algo extraordinário acontecendo, o chão estava se movendo, e tudo estava diferente.” (p. 342)

O Perfume da Folha do Chá me surpreendeu de forma positiva. Temos uma trama muita bem construída, um cenário rico, personagens com personalidades bem diferentes entre si, uma angústia crescente e um suspense de matar, rs. Pelo menos eu me senti, o tempo todo apreensiva e desesperada por respostas, praticamente com os mesmos sentimentos de Gwen.

Há muito pontos envolventes na leitura, primeiro temos uma mulher ainda jovem mudando de país para se casar, depois ela enfrenta todas as dificuldades que uma mudança pode trazer: país, cultura, casa, novas pessoas, relacionamento... tudo diferente. Para piorar, ainda haverá um mistério maior envolvendo a vida de Gwen e a necessidade de guardar segredo, o que a fará viver com o medo e a angústia da sua decisão por quase dez anos.

“Chorou pelo fato de a vida ser capaz de trazer tamanhas alegrias e ao mesmo tempo forçá-la a resistir a um baque tão cruel, que parecia impossível de suportar.” (p. 418)

Seu marido, Laurence, até então muito amoroso e companheiro, se mostra um pouco distante e Gwen se questiona se há algo errado. Para piorar, sua cunhada Verity parece querer impor sua vontade sobre todos e mandar no irmão. Temos ainda o linha dura McGregor, encarregado da linha de trabalho, que não está disposto a ouvir as sugestões de Gwen, e Savi Ravasingle, o misterioso cavalheiro que parece querer ajudar... mas com quais intenções?

Ficamos extremamente envolvidos com a leitura, pois a narrativa de Dinah Jefferies é muito fluida e de fácil compreensão, nos envolvendo completamente nos mistérios da família Hooper e na dor sufocada por Gwen.

Gwen Hooper é uma personagem adorável. Ela possui um bom coração e tenta ao máximo ajudar os trabalhadores do Ceilão, mesmo que seja repreendida por sua cunhada ou por McGregor. Seus sentimentos são muito bem explorados, sentimos na pele como a mudança a afeta, a saudade dos pais, a mudança de cultura e clima, o relacionamento conturbado com Verity e até mesmo as incertezas sobre seu marido e seu casamento.

O cenário foi muito bem trabalhado, nos dando uma visão completa do Ceilão e da fazenda de chá, que, a propósito, era incrível. O Ceilão é o atual Sri Lanka, país próximo à Índia, e o ambiente retratado no livro é verossímil.

Conforme os anos vão se passando, os negócios de Laurence são influenciados pelo que ocorre no mundo, como a quebra da bolsa de valores de Nova York e a Grande Depressão nos Estados Unidos, trazendo um contexto histórico bem construído.

Outro ponto marcante da obra é a forma como é abordado o preconceito das pessoas brancas – geralmente ingleses – com os moradores e trabalhadores de pele escura, que eram predominantemente tâmeis e cingaleses, povos da região. Gwen luta para melhorar a condição dos trabalhadores da fazenda e percebe o quanto eles são inferiorizados. Isso é ainda mais acentuado por se tratar da década de 30, passando por outras aspectos da sociedade, como o papel das mulheres e a importância do casamento na época, além do julgamento crucial da sociedade.

A fazenda de Hooper empregava mais de mil e quinhentas pessoas em sua plantação de chá, sendo a maioria tâmil. O livro também traz uma diferença brutal entre o padrão de vida das famílias plantadoras de chá com as pessoas que trabalhavam ali: a fartura tão perto de uma enorme miséria.

“Empregamos mais de mil e quinhentas pessoas. Oferecemos uma espécie de escola, uma farmácia e atendimento médico. Eles têm vários outros benefícios, como um armazém e arroz subsidiado. (p. 34)”

A capa é muito bonita e adequada, trazendo a paisagem do Ceilão e aspectos de época. A revisão e a diagramação também estão impecáveis. Confesso que não costumo ler romances de época e fiquei com um pouco de receio da leitura, mas logo nas primeiras páginas já fui fisgada pela obra, rs, trazendo uma narrativa envolvente, uma mistura de sentimentos muito marcantes pela protagonista, um mistério enlouquecedor, além de detalhes ricos nos cenários e na cultura das fazendas de chá no Ceilão na década de 30. Porém, mais que um romance, O Perfume da Folha do Chá aborda questões profundas de preconceito, da forma como a sociedade julga e nas escolhas terríveis que, por sua causa, podemos ser forçados a tomar, desde a década de 30 até os dias atuais.


“Para ela, o Ceilão era um lugar onde os britânicos haviam construído sonhos e fortunas, onde famílias inglesas se formavam e tinham filhos, e onde sua vida mudara muito mais do que poderia prever. Por outro lado, era também um mundo diferente, onde meninas circulavam com camisas simples de algodão e saias sem babados, onde os bebes engatinhavam no chão de terra e onde as pessoas não tinham o que comer.” (p. 315)








Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

18 comentários:

  1. Oi Amanda.
    Eu AMO romances de época e, depois de ler a sua resenha, fiquei com muita vontade de ler O Perfume da Folha do Chá.
    Gwen parece ser uma personagem forte e determinada, que quer ajudar os trabalhadores da sua fazenda de chá.
    Além disso traz uma cenário diferente, mostrando o preconceito e as diferenças na qualidade de vida entre os trabalhadores e os "patrões".
    A capa é lindíssima!
    Já vai para a minha lista de desejados.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. OI Amanda.
    Eu li esse livro e adorei, o fato de que ele bate muito na tecla do preconceito foi um dos fatores que fez ele ser um dos meus preferidos do gênero, os personagens são extremamente cativantes e acompanhar essa jornada de descobertas foi realmente incrível.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Oi Amanda,
    Por mais que tentamos nos preparar para uma mudança na vida é difícil prever como ela irá ocorrer. Gwen irá passar por muitas mudanças e todas de única vez então qualquer insegurança, medo ou questionamentos são condizentes com o que ela esta vivendo. A autora criou uma personagem muito madura (apesar da idade), que sabe o que quer e não se deixa intimidar por outros. O Perfume da folha me chamou atenção já na capa (que está muito bonita), mas me instigou mesmo com a proposta de um livro tão completo, que trata de tantos assuntos importantes, e ainda apresenta uma ambientação muito interessante de ser explorada. É uma leitura que farei com toda certeza.

    ResponderExcluir
  4. Eu não conhecia esse livro, mas confesso que o que mais me atraiu nele também foi a capa, achei ela muito linda. E amei o título também.
    A história do livro parece ser muito linda, e eu gostei bastante dos temas tratados pelo livro, acho difícil encontrar livros que mostram esse preconceito. E já acho que vou gostar da Gwen, ela parece ser bem forte. Eu nunca li nada da autora, mas ela parece ter feito um ótimo trabalho nesse livro.
    Eu gosto muito de livros de época, e esse realmente deve ser ótimo!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Amanda, amei sua resenha e suas impressões sobre o livro. Adoro romances de época e esse logo de cara me chamou a atenção.
    Essa capa é linda e bem delicada, reflete bem o assunto do livro. Nunca li nada dessa autora, mas fiquei muito interessada e vai para a minha lista.
    Parabéns!

    Indiquei o blog Fundo Falso para o prêmio Versatile Blogger Award e ficarei muito feliz se vocês participarem.
    Confiram como funciona em: https://ateaultimapagina.wordpress.com/2017/08/24/tag-04-the-versatile-blogger-award/. É uma tag rapidinha e com um objetivo muito bacana para nós blogueiros. Espero que participem e curtam participar!! ;)
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Oi Amanda, eu costumo ler romances de época mas esse foge completamente dos cenários que estou acostumada, se passando no Ceilão atual Sri Lanka, sobre o qual não sei nada e só por isso já é interessante e tem também o fato de que tenho lido resenhas positivas a respeito da história e ficad com cada vez mais vontade de ler ;) A protagonista parece ser bem forte e fiquei curiosa sobre o suspense , já vi que não vou gostar da cunhada e o marido é um personagem que não consegui formar opinião ainda, tenho que ler pra saber *__* Curti a resenha.

    ResponderExcluir
  7. E a primeira resenha que leio que você da excelente em tudo, então isto e mais que suficiente para que querer está obra. Brincadeiras a parte, vejo que este e um ótimo romance de época, que retrata de maneira clara como as mulheres eram tratas naquela época, e como tudo era tão difícil e complicado. Outro ponto que gostei e o fato de citar alguns momentos que aconteceram naquela época, como a quebra da bolsa de valor, enfim, me pareceu uma leitura maravilhosa, da qual já quero adquirir.

    Participe do TOP COMENTARISTA de AGOSTO, para participar e concorrer Ao livro "Dois Mundos", o primeiro da série "Tesouros da Tribo de Dana" da escritora Simone O. Marques, publicado numa edição linda pela Butterfly Editora.
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Amanda!
    Acredito que é o tipo de livro que para apreciá-lo em sua totalidade, temos de nos envolver com a protagonista, enveredando por seus mistérios do passado, bem como suas dores e adaptações no presente. Gosto de livros assim porque são intensos e acabamos nos envolvendo.
    "...Aceite com sabedoria o fato de que o caminho está cheio de contradições. Há momentos de alegria e desespero, confiança e falta de fé, mas vale a pena seguir adiante..."(Paulo Coelho)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE AGOSTO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  9. Oi, gostei da capa, é linda! Li a sinopse e a resenha, mas não me cativei com a historia, não sei, não bateu a química com a personagem. É um livro que não faz muito o tipo de leitura, uma pena.
    Gostei de sua resenha, beijos.

    ResponderExcluir
  10. Eu amo a capa desse livro, sou doida pra ter ele na minha estante só pela capa mas por ser um romance de época a leitura não me parece tão fluída e o enredo não me cativou. A Gwen parece ter uma personalidade muito forte e ser uma pessoa de um coração enorme.

    ResponderExcluir
  11. Adorei a capa do livro! Já tinha visto ele pelo skoob, mas ainda não tinha lido resenha. Eu fiquei angustiada lendo a resenha e imaginando a Gwen sozinha, sem familia, sem o apoio da familia do marido, e a distância do esposo com ela.
    Bacana a autora trabalhar bem com o cenário e o contexto da época.
    A protagonista parece ser um amor *-*
    Obg pela indicação!

    ResponderExcluir
  12. Adoro romance de época, ainda mais quando nos deixa naquela expectativa com o suspense.
    Gwen parece ser uma personagem bem cativante.
    Gosto quando embarcamos numa época antiga, e ainda mais quando abordam preconceito.
    Adorei a resenha!

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  13. Oi, Amanda!!
    Que resenha mais maravilhosa!! Amei essa estória que de um certo modo envolve um mistério na vida do marido da Gwen, e também fiquei bem curiosa para saber como ela vai se adaptar a tudo que está em sua volta. Achei bem bacana a autora trabalhar em um cenário que estamos pouco acostumados a conhecer.
    Bjos

    ResponderExcluir
  14. Hum,não conhecia O Perfume da Folha de Chá,mas com todas as notas 10, vale a pena dar uma chance pra essa leitura.
    O ponto que mais chamou minha atenção foi o cenário,não lembro de ter lido nada com essa ambientação no Ceilão/Sri Lanka.

    ResponderExcluir
  15. Confesso que nunca esperei suspense ou tenção em um romance de época... Espero que ele também me prenda nas primeiras páginas ... Quero muito comprar ele.

    ResponderExcluir
  16. Assumo que quando vi a capa do livro, pensei aahhh é um romance, deve ser tranquilo e gostoso. Mas todo esse suspense aí, por essa eu não esperava, estou curiosa para saber tudo que tá rolando aí, o marido distante, a tal falecida ex mulher, espero ler em breve e que o livro me agrade muito.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  17. Quero muito ler esse livro Amanda, sou fã desse gênero. Adorei a resenha e tudo indica que vou me deleitar com esse romance, parece ser uma linda história, tocante, emocionante e reflexiva, do jeitinho que eu gosto ♥
    A protagonista é o tipo de personagem que cativa logo na primeira página, uma mulher forte e guerreira. Vou adorar conhecer um pouco mais essa época, fiquei animada em saber que o contexto histórico é bem construído. Estou intrigada para saber o motivo deles guardarem tantos segredos, com certeza esses mistérios vão deixar a leitura ainda mais envolvente.
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Olá!
    O livro é interessante, tem uma premissa muito boa.. A historia e bem envolvente, tem uma premissa muito boa. O relacionamento entres eles será bem interessante, já que a ex mulher esta envolvida na trama né..

    ResponderExcluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.