✓ Resenha: Na Escuridão da Mente - Paul Tremblay

quarta-feira, 2 de agosto de 2017



Sinopse: Um dos livros mais assustadores do ano, vencedor do prêmio Bram Stoker Award. A vida dos Barrett é virada do avesso quando Marjorie, de 14 anos, começa a demonstrar sinais de esquizofrenia aguda. Depois que os médicos se mostram incapazes de deter os acessos bizarros e o declínio de sua sanidade, o lar se transforma em um circo de horrores, e a família se vê recorrendo a um padre da região. Acreditando que seja um caso de possessão demoníaca, o padre Wanderly sugere um exorcismo e entra em contato com uma produtora que está ávida para documentar tudo. Com o pai de Marjorie desempregado e as dívidas se acumulando, a família hesitantemente aceita, sem imaginar que A Possessão se tornaria um sucesso imediato. Quinze anos depois, uma autora best-seller entrevista Merry, a irmã mais nova de Marjorie. Ao se recordar dos acontecimentos de sua infância, uma narrativa alucinante de terror psicológico é desencadeada, levantando questões sobre memória e realidade, ciência e religião... e sobre a real natureza do mal.

Título: Na Escuridão da Mente (Skoob)
Autor: Paul Tremblay 
Gênero: Terror/Suspense
Editora: Bertrand
Páginas: 266
Onde comprar: Amazon / Saraiva
Classificação:
Livro cedido em parceria com a editora. 




Meredith está com 23 anos quando Rachel a entrevista para o livro que está escrevendo, a respeito do que ocorreu há quinze anos, durante o reality show A Possessão, filmado com sua família.

Na época, John Barret havia acabado de perder o emprego, após dezenove anos na mesma empresa, e sua família se sustentava apenas com o emprego de Sarah, sua esposa. Eles tinham duas filhas: Marjorie, de 14 anos, e Meredith, também chamada de Merry, de 8 anos. As duas eram muito amigas e criavam histórias juntas.

Certo dia, Marjorie conta uma história de terror para Merry, assustando-a. Ao longo dos dias, Marjorie começa a agir de modo cada vez mais estranho e contar histórias sobre mortes. Além disso, passa a acordar durante a noite gritando.

A adolescente começa a se consultar com um psiquiatra, mas seu pai, John, alega que ela deveria conversar com um padre. Contudo, Sarah é totalmente contra. Marjorie se mostra a cada dia mais debilitada, agindo de forma agressiva e até mesmo bizarra, como um episódio em que ela arranha as paredes e urina no chão.

Sua família começa a achar que ela está possuída por um demônio, e John convence que a presença do padre é importante. Além da ajuda do padre local, uma equipe de tv também se mostra interessada em filmar uma série sobre a suposta possessão, o que acaba caindo como uma luva, pois as economias da família já não são mais suficientes.

“− Marjorie estava surtando e eu chorava, gritando a pleno pulmões bem ali, no banco do motorista, e ela ria de mim, rosnando, emitindo ruídos animalescos, me dizendo que eu queria fazer todo tipo de coisas sexuais com ela, Sarah. Minha menininha falando aquilo para mim. Ela já disse isso a você? Hein? E a igreja estava no caminho, bem ali, então eu apenas parei.” (p. 63)

A equipe de tv se instala na casa dos Barret, e a série chamada A Possessão vai ao ar, intercalando cenas reais da família com cenas encenadas por atores. Contudo, os acontecimentos começam a desestabilizar a família, que se mostra cada vez mais nervosa com as atitudes de Marjorie e a exposição para a tv.

Para Merry, Marjorie afirmava estar fingindo. Porém, a mesma apresentava comportamentos bizarros que às vezes pareciam fugir totalmente do seu controle, mas outras vezes também parecia forçar algumas cenas para agradar às câmeras.

“[...] Fiquei preocupada com a possibilidade de descobrirem que Marjorie não tinha um demônio de verdade dentro dela, que estava fingindo, e então cancelarem o programa e nossa família voltar a ter problemas de dinheiro. Mas então pensei sobre seus arranhões e como ela estava assustada, e me perguntei se seria possível estar possuída por um demônio e fingir ao mesmo tempo. E, em seguida, a preocupação passou a ser sobre ter um demônio preso dentro de mim. [...]” (p. 173)

Na Escuridão da Mente é um livro bem complexo. Confesso que eu esperava um desenrolar totalmente diferente e, quando terminei a leitura, fiquei matutando o que acabara de ler na cabeça por um bom tempo.

Temos um terror psicológico, ou seja, as cenas não são (pelo menos ao meu ver) assustadoras, não há grandes coisas sobrenaturais acontecendo, mas sim especulações sobre o ocorreu de verdade, o que foi fingimento e o que os olhos de uma garotinho de apenas oito anos realmente viram ou apenas imaginou. Há uma inquietação crescente, pois ficamos ávidos por respostas e por algo que nos dê a certeza: Marjorie está mesmo possuída ou está sendo apenas uma típica adolescente? As consultas com o psiquiatra, além das que foram canceladas, ainda não nos dá detalhe algum do que era discutido no consultório. Em momento algum nos diz se a garota realmente estava apresentando sintomas de esquizofrenia, aliás, o assunto praticamente não é tratado. É tudo suposição: ela poderia estar com sintomas ou poderia não estar. Ela poderia estar possuída ou poderia estar fingindo. É essa dúvida crescente que causa uma inquietação no leitor, uma tensão que só piora.

Outro ponto importante da trama é que a narrativa é feita pela Merry, a irmã de Marjorie, que na época do ocorrido possuía apenas oito anos. Como podemos ter certeza de que as coisas ocorreram realmente da forma como ela conta, que não há floreios na narrativa, o que seria normal para uma criança? Ela mesma confessa que suas memórias daquela época se mesclam com todas as notícias que viu na mídia, além dos episódios da série de tv.

Ou seja, temos uma narradora totalmente duvidosa, uma adolescente que, ora age como uma adolescente rabugenta normal, ora age de forma bizarra, e na maior parte do tempo parece indiferente à tudo, com raiva de seus pais e apenas amigável com a irmã. Outro ponto crucial é a presença da mídia na casa, causando uma tensão gigante, expondo a família de forma negativa – principalmente para Merry, que passa a sofrer insultos na escola – e, por que não, até mesmo manipulando os fatos.

“Na maioria dos dias, realmente não sei o que pensar ou no que acreditar. Tudo que de fato sei com cem por cento de certeza é que Marjorie e talvez meus pais estivessem muito doentes, nossa família inteira foi colocada sob estresse e tensões impossíveis, fomos todos manipulados e éramos irracionais, talvez até mesmo de forma deliberada.” (p. 261)

Sarah se autodestrói na nossa frente. Ao longo da gravação da série ela passa a beber, fumar e dormir cada vez mais - praticamente se dopando – além de se remoer de remorso por sujeitar sua família àquilo. John também se mostra a cada dia mais nervoso, explodindo com as pessoas que se manifestam em frente à sua casa, contra o programa de tv, e aumentando mais ainda a tensão no ambiente.

A narrativa flui bem, porém me senti um pouco desapontada no decorrer da leitura. Esperava mais terror sobrenatural, e não um nó se formando em minha mente, rs. Porém o autor narra com maestria a tensão crescendo na família, o que podemos sentir em nós mesmos, aumentando o ritmo da leitura conforme não aguentamos mais supor coisas. Precisamos de respostas e todas as dúvidas do que realmente ocorreu começam a sufocar.

É um livro para se pensar. Primeiro, o que a perda de um emprego estável por um pai de família pode significar. Segundo, um tratamento médico negligenciado e tratado por suposições. Terceiro, a participação de uma mídia oportunista. Quarto, o quanto o estresse e a tensão emocional podem interferir na vida das pessoas. Quinto, como uma criança pode acabar sendo negligenciada pela família, uma adolescente de apenas quatorze anos exposta, uma mãe com remorso que não consegue mais controlar a situação. Sexto, as formas como o mau pode agir, na presença ou não de demônios ou da igreja.

É uma trama complexa, cheia de significados nas entrelinhas. A narrativa é intercalada por postagens de um blog sobre a série, onde a escritora desmistifica todas as cenas, mostrando que A Possessão é apenas mais um clichê. Ela mostra que inúmeras citações de Marjorie, enquanto diziam estar possuída, na verdade tratava-se de citações de H.P. Lovecraft e livros clássicos de terror, além de citar várias cenas bem parecidas com a de filmes famosos, aliás, muito do que a adolescente disse poderia ser facilmente pesquisado na internet.

Não é um livro para sustos, mas sim de um terror psicológico crescente, cheio de suposições, com uma trama voltada para o âmbito familiar e uma crítica bem construída contra a mídia e a igreja. Os personagens mudam muito ao longo da narrativa, todos são afetados pelos acontecimentos até então inexplicáveis. O cenário é bem restrito, a história toda se passa dentro da casa da família. Mas nem por isso se torna menos atraente: cada aspecto do livro foi moldado cuidadosamente para causar o impacto certo no leitor... E causa. O final é chocante, já adianto.

A capa de Na Escuridão da Mente está linda e sombria, e a revisão e diagramação também estão ótimas.

Curiosidade: Em algumas cenas Marjorie cantarola a música Gloomy Sunday (tradução: Domingo Sombrio), conhecida como a música mais triste do mundo e responsável por pelo menos cem suicídios.









Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

26 comentários:

  1. Oi Amanda, infelizmente terror, mesmo esse que você considerou psicológico não me agrada, é um gênero que leio muito pouco pra não dizer nenhum :/ Ms achei a tua resenha interessante e tenho acompanhado algumas resenhas desse livro e achado toda trama envolvendo a exibição de Marjorie bem revoltante. É um livro que parece trazer algumas criticas e levar o leitor que curte o gênero a pensar sobre a história e isso é favorável ;)

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Já me arrepiei só pelo título. Sensacional! Necessito muito!!

    ResponderExcluir
  3. Já estou pesquisando para comprar o meu u.u

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia o livro, e agora lendo a resenha já quero!
    Sou apaixonada por livros de terror, ainda mais quando é psicológico.
    Uma trama que faz o leitor ficar bem envolvido, ainda mais por ser narrado por Merry e quando era criança. Na cabeça criança passa tanta coisa, que não temos como saber como foi a realidade.
    Já estou curiosíssima para saber final, adoro quando eles são chocantes.

    Beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  5. Amanda!
    Infelizmente achavam que quem tinha esquizofrenia, tinha um pacto com o demônio, coisa totalmente errada.
    Que pena que o ritmo do livro é mais lento e ele nem é tão assustador, tornando o livro mais um suspense psicológico que terror, entretanto acredito que, pelo final insperado e por gostar muito dos livros que trazem doenças psicológicas, vale a pena conferir a leitura.
    Desejo um mês repleto de realizações!
    “A música é uma revelação superior a toda sabedoria e filosofia.” (Ludwig van Beethoven)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE AGOSTO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Acredito que mesmo que a trama não proporcione medo, e terror nas pessoas, pela sua resenha e possível perceber que esta mais voltada para um terror psicológico, fazendo com o leitor pense e repense o motivo para aquela família acabar nesta situação, são muitos motivos, mas será que são realmente justificáveis? O que mais me chamou a atenção, foi o fato de possuir uma crítica a respeito da mídia e da igreja, enfim, fiquei bastante curiosa.

    ResponderExcluir
  7. Oi Amanda!
    O que mais me chamou atenção no livro foi esse terror psicológico, eu adoro essas leituras que nos fazem doidos em ficar pensando e martelando a história na cabeça.
    Qro ler!
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Geeente, nao consigo ler livros assim, acho que fico louca kkk ainda mais terror psicológico, sei que vs disse que não são cenas assustadoras, mas morro de medo do gênero kkjkkk porém achei interessante que a história é narrada pela irmã e que eles resolvem escrever um livro sobre o que aconteceu!! Os quotes são legais e quem sabe eu de uma chance a história.

    ResponderExcluir
  9. Oi Amanda.
    Na Escuridão da Mente parece ser um bom thriler psicológico. Parece que muita coisa não fica claro, nos deixando com várias dúvidas.
    Não sei se leria o livro, pois tenha uma imaginação muito fértil e acho que teria problemas para dormir rs
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Não sei o que é mais horrível nesse livro, se é a Marjorie, com a sua possessão/ esquizofrenia/ qualquer outra suposição, o pessoal do reality show que se aproveitou da situação por audiência ou os pais que permitiram que todos esses acontecimentos fossem televisionados, deve ser um terror psicológico e tanto, não tenho certeza se leria, mas quem sabe um dia.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Oi Amanda. Pensei que o livro fosse o puro terror. Fiquei curiosa pra saber o que aconteceu com a Marjorie. Os relatos da Merry não são confiáveis mesmo, mas acho que fica a grande questão do trama: possessão ou não? Acho q é a grande questão. Pretendo ler o livro pq estou curiosa.
    Obg pela indicação ;)

    ResponderExcluir
  12. Confesso que esse não é meu tipo de livro! Sou muito medrosa para ler algo assim!
    Mas você disse que não tem cenas de terror, pois são psicológicos, mas mesmo assim ficaria com medo.

    ResponderExcluir
  13. Sua resenha me deixou intrigada em relação a esse livro. Alguns temas que a obra aborda é bem interessante. E parece ser uma história muito bem desenvolvida.
    Mas como não sou muito fã do gênero, por enquanto não vou me aventurar. Mas já anoitei a dica por aqui <3
    Beijos
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  14. Oi Amanda,
    Na escuridão da mente pode ser aquele livro que irá lançar o leitor em uma trama incrível ou o fará abandonar o gênero. As lembranças de Merry sobre o acontecido são de uma criança e, nesta fase a compreensão dos fatos é diferente de quando se é mais maduro. Então fico imaginando se o que é narrado pela protagonista, realmente aconteceu da forma que ela descreve ou da forma como foi passado para os telespectadores do programa. Eu não tinha interesse neste livro, mas os temas abordados me chamaram atenção. Fiquei bem intrigada sobre a verdade da história e o que aconteceu com Marjorie.

    ResponderExcluir
  15. Eu já li esse livro, mas confesso que não gostei muito não. Eu também esperava algo completamente diferente. Eu também achei que o livro tem uma proposta bem instigante e interessante, mas achei que ficou meio confuso em algumas partes, e isso me desanimou um pouco. Pra mim realmente não funcionou muito bem :/

    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Oi.
    Esse livro está na minha lista de possíveis leituras fiquei intrigada ao saber que a narrativa é feita por uma menina de 8 anos como você mesma falou uma narrador que não é exatamente uma fonte segura Fiquei feliz em saber que não tem acontecimentos sobrenaturais já que eu sou super medrosa e pelo visto o livro É bem interessante apesar de tudo enfim estou ansiosa demais para ler.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  17. Estou com esse livro tem alguns meses na estante e ainda não tomei vergonha pra ler, espero que a ressaca me deixe e eu devore este mês.

    ResponderExcluir
  18. Oi Amanda,
    Fiquei bem intrigada com esse livro depois de ler algumas resenhas, apesar de não curtir muito terror e afins, esse livro me fisgou. É uma história bem complexa mesmo, e como não curto muito uma trama envolvendo acontecimentos sobrenaturais, o fato de que a história vai muito além disso me instiga a ler. Estou começando a me acostumar com terror psicológico, e essa dúvida constante e tantas suposições do que realmente acontece com a garota prende totalmente o leitor; fiquei curiosa para saber que final chocante é esse.
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Olá!
    Estou em um clima de leitura de livros de terror e thrilers mesmo, então acho que essa indicação veio para mim hahaha
    Entendo que tem seus lados negativos, mas acredito que seja uma leitura muito boa apesar disso. Adoro histórias com reviravoltas, então a dica está super anotada (:
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Hum,citações de H.P. Lovecraft nas possessões
    Parece bem mais psicológico do que sobrenatural, evidenciando as consequências para toda a família,fiquei curiosa,é interessante explorar as nuances da memória.
    Final impactante ainda?Já começo a imaginar O.O

    ResponderExcluir
  21. Achei bastante interessante. Assumo que acho esses livros psicológicos um pouco chatos e que me da vontade de parar a leitura por estar com vários nos na cabeça, mas sei que no final deva ter valido a pena, e acho que pelo premio deve valer também!

    ResponderExcluir
  22. Olá, adoro livros com essa temática de terror psicológico, aonde faz o leitor ficar pensando cada pagina virada, simplesmente é algo que ficaria muito feliz em ler. Fiquei super curiosa pra ler e saber mais sobre o que acontece. Adorei sua resenha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  23. Oi, Amanda!!
    Gostei bastante da resenha do livro. Acho bem interessante a estória da Marjorie que infelizmente sofrem de esquizofrenia e acabou tendo que aguentar ser tratada como alguém que foi dominada por demônios.
    Bjokas

    ResponderExcluir
  24. Oi, tudo bom ?
    Gostei muito da resenha, o livro parece ser bom, eu não curto muito o gênero, dou medrosa, mesmo você dizendo que não há cenas que dão susto, fico meio receosa quanto a leitura, mas gostaria de saber se ela foi ou não foi possuída.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  25. Oi, tudo bom ?
    Gostei muito da resenha, o livro parece ser bom, eu não curto muito o gênero, dou medrosa, mesmo você dizendo que não há cenas que dão susto, fico meio receosa quanto a leitura, mas gostaria de saber se ela foi ou não foi possuída.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  26. Olá!
    Que história incrível!
    Tem um mistério muito bom, a trama é uma premissa maravilhosa. Eu até fiquei um pouco com medo ao ler a resenha.

    ResponderExcluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.