✓ Resenha: Mestre das Chamas - Joe Hill

terça-feira, 25 de julho de 2017

Sinopse: Ninguém sabe exatamente como nem onde começou. Uma pandemia global de combustão espontânea está se espalhando como rastilho de pólvora, e nenhuma pessoa está a salvo. Todos os infectados apresentam marcas pretas e douradas na pele e a qualquer momento podem irromper em chamas.Nos Estados Unidos, uma cidade após outra cai em desgraça. O país está praticamente em ruínas, as autoridades parecem tão atônitas e confusas quanto a população e nada é capaz de controlar o surto.
O caos leva ao surgimento dos impiedosos esquadrões de cremação, patrulhas autodesignadas que saem às ruas e florestas para exterminar qualquer um que acreditem ser portador do vírus.
Em meio a esse filme de terror, a enfermeira Harper Grayson é abandonada pelo marido quando começa a apresentar os sintomas da doença e precisa fazer de tudo para proteger a si mesma e ao filho que espera.
Agora, a única pessoa que poderá salvá-la é o Bombeiro – um misterioso estranho capaz de controlar as chamas e que caminha pelas ruas de New Hampshire como um anjo da vingança.
Do aclamado autor de A estrada da noite, este livro é um retrato indelével de um mundo em colapso, uma análise sobre o efeito imprevisível do medo e as escolhas desesperadas que somos capazes de fazer para sobreviver.

Título: Mestre das Chamas (Skoob)
Autor: Joe Hill
Gênero: Distopia / Ficção Apocalíptica
Editora: Arqueiro
Páginas: 592
Onde comprar: Amazon / Saraiva
Classificação: 9,9 (Excelente!)
Livro cedido em parceria com a editora. 





Tudo começa no mês de abril: casos estranhos são noticiados de pessoas entrando em combustão. Há a descoberta de uma doença intitulada Escama do Dragão e sua origem é muito especulada, desde conspirações sobre o Exército Islâmico até a sua criação por engenheiros da empresa Haliburton.

As pessoas infectadas possuíam marcas na pele, parecidas com tatuagens, soltavam fumaça e algumas apresentavam sinais de histeria. Contudo, um ponto era certo: em algum momento elas entrariam em combustão espontânea.

Harper era enfermeira voluntária no Hospital de Portsmouth, onde as pessoas que estavam infectadas ficavam sob quarentena. O hospital era lotado e a doença extremamente contagiosa, porém, ainda não sabiam ao certo qual era a forma de transmissão. Harper e os outros funcionários usavam roupas contra contaminação, iguais aos usados em surtos de Ebola.

“[...] Os fumegantes soltavam fumaça de modo intermitente, sempre a ponto de pegar fogo. A fumaça emanava em espirais de seus cabelos e narinas, e seus olhos vertiam água. As listras em seus corpos ficavam tão quentes que chegavam a derreter luvas de látex. Eles deixavam manchas de queimado em suas camisolas de hospital, em suas camas. Eram perigosos, também. Compreensivelmente, talvez, os fumegantes estavam sempre à beira da histeria. Mas havia uma questão do tipo ovo ou galinha nesse fato: será que eles entravam em pânico porque seus corpos não paravam de soltar fumaça, ou será que soltavam fumaça porque suas mentes estavam em constante estado de pânico?” (p. 29)

O hospital é incendiado – a combustão de uma pessoa pode levar à uma combustão em cadeia, motivo pelo qual o hospital foi tomado pelo fogo – e Harper volta para casa, para junto de seu marido Jakob. Porém, quando listras aparecem no corpo da enfermeira, ele se transforma em outra pessoa, se tornando extremamente agressivo, e, para complicar mais ainda a situação, Harper se descobre grávida.

Um grupo conhecido como Bonde da Cremação, começa a executar as pessoas infectadas e Harper passa a temer por sua vida. Então, as figuras misteriosas de duas crianças com máscaras do Capitão América e do Tigre da Kellogg’s e um homem vestido de Bombeiro acabam a ajudando a escapar de Jakob e se refugiar em uma antiga colônia de férias: Colônia Wyndham, que abriga uma comunidade com mais de cem pessoas.

Surgem aspectos da Escama do Dragão até então desconhecidos por Harper, como o fato de o Bombeiro conseguir incendiar as coisas com a própria mão, sem se queimar, ou as pessoas brilharem juntas em uma espécie de euforia, como se estivessem bêbadas.

“[...] Quem estava emitindo aquela luz eram eles. Eram todos tatuados com os arabescos e espirais da Escama do Dragão, que luziam qual uma tinta fosforescente sob uma luz negra, em matizes alucinatórios de vinho e azul.” (p. 107)

Mestre das Chamas é um livro incrível, envolvente do início ao fim, com trechos de tirar o fôlego e de um ritmo de leitura desvairado, simplesmente é impossível parar de ler.

O cenário apocalíptico aliado à doença contagiosa, produzida por um esporo, traz um cenário atual, em uma realidade muito próxima à nossa, envolvendo dois pontos importantes: as consequências, os sintomas e o risco de morte para os portadores da doença e o modo como os infectados são tratados pelas pessoas saudáveis. A trama aborda aspectos bem profundos da sociedade humana, chegando a fazer uma analogia com um apocalipse zumbi, afinal, a maior parte da população trata os infectados como algo que deve ser eliminado.

“E por fim ela mergulhou em sua própria piscina de dor e saudade de tudo de bom que um dia fora seu e agora não existia mais: um café no Starbucks enquanto uma chuva fina e fria batia nas vidraças, passar o aspirador em sua casa de calcinha e sutiã ouvindo Bruce Springsteen e cantando junto, deixar o olhar se perder pelas lombadas dos livros numa pequena livraria cheia de prateleiras altas, comer uma maçã geladinha no quintal enquanto catava folhas mortas, corredores cheios de crianças tagarelas risonhas agitadas na escola, Coca-cola em garrafas de vidro. Muito do que a vida tinha de melhor passava despercebido nos momentos em que você o tinha.” (p. 505)

A narrativa de Joe Hill é impecável, nos transportando totalmente para dentro da história. O cenário é ambientado em New Hampshire, apesar de os personagens precisarem se locomover para outros locais. A cidade do Maine também é citada em peso, fato interessante, pois a maioria dos livros de Stephen King são ambientados nesta região (você sabia que Joe Hill é filho de Stephen King? Por isso há muita semelhança na narrativa e nos temas de ambos!). A história é muito bem construída, não deixando nenhuma falha, mesmo em uma trama bem complexa.

Há muitos personagens cativantes. Meus preferidos foram a enfermeira Harper e o Bombeiro John. Harper mudou muito no decorrer da trama, no início, apesar de ter um coração enorme, vivia uma relação nada saudável com seu marido Jakob, fazendo apenas as vontades dele e se anulando. Ao se infectar, Jakob simplesmente surta e deseja distância dela. Ao longo da trama ela se transforma em uma mulher extremamente forte, não só disposta a ajudar a todos, mas também sem aceitar ser mandada por ninguém, assumindo a personalidade que nunca teve quando esteve casada. 

O Bombeiro é um dos personagens mais importantes da história e vamos aos poucos conhecendo seu passado triste. Ele é misterioso, gosta de chamar a atenção e, a princípio, parece até mesmo arrogante. Porém, descobrimos que junto com seu capacete e as roupas de bombeiro, também há uma máscara ocultando tudo o que ele já passou e o ajudando a enfrentar o mundo. Ao longo da trama você vai se apaixonando por John e vendo que ele também tem um coração enorme.

Há outros personagens empáticos, como a adolescente Allie, que possui um gênio bem forte, o garoto surdo Nick, que é uma verdadeira caixinha de segredos, e a adorável e corajosa Renée, todos possuindo um peso enorme na trama.

Há muitos elementos bem amarrados na história, sendo o ponto forte a forma como a própria sociedade começa a se extinguir frente à um sinal de que algo está errado. No próprio livro é feito uma analogia com a série The Walking Dead: é como se os infectados fossem zumbis que precisassem ser mortos. Mas na verdade os infectados são apenas pessoas doentes, desesperadas para encontrar uma cura e se salvarem.

“[...] A morte e a ruína são o ecossistema preferidos do homem. Já leu sobre a bactéria que prospera dentro do vulcão, bem à margem da rocha fervente? Somos nós. A humanidade é um germe que prospera bem na fronteira da catástrofe.” (p. 262)

A doença chamada de Escama do Dragão foi muito bem elaborada, sendo transmitida a partir de um esporo e trazendo certas características de um dragão: traços e linhas que parecem tatuagens pretas salpicadas de dourado e o fato de soltar fumaça e poder entrar em combustão a qualquer momento. Também há a ligação com a substância oxitocina, uma substância que nosso corpo usa para nos recompensar quando conquistamos a aprovação de um grupo. Há uma analogia com as próprias redes sociais e uma nova forma de interação social.

“A Escama do Dragão era a bala, mas o dedo que puxava o gatilho era o medo” (p. 185)

Também existe várias referências literárias ao longo da obra, como a quase obsessão de Harper por Mary Poppins (a babá mágica inglesa que aparece em uma tempestade de vento), a história de João e Maria e O Mágico de Oz.

A capa é linda, a revisão deixou passar apenas dois errinhos (mas confesso que um me deixou chateada - a perfeccionista rsrs) e a diagramação está ótima. A obra traz um tema novo e criativo, mesclando uma doença contagiosa com o apocalipse e trazendo profundas reflexões sobre a sociedade humana. A narrativa de Joe Hill é alucinante, os personagens são totalmente marcantes – seja para o bem ou para o mal, e é um livro que você continua pensando mesmo depois de terminar a leitura. Enfim, Mestre das Chamas inevitavelmente entrou para minha lista de favoritos!









Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

22 comentários:

  1. Eita que estava ansiosa para conferir a resenha sobre este livro, pois confesso que esta premissa deixa a gente com aquela "pulga" queimando as orelhas hahahahh....Realmente me surpreendeu conferir tua resenha. pois tua animação pela historia transparece em cada paragrafo que foi escrito. Realmente é uma historia bem interessante, e com certeza vou incluir ela na minha lista de desejados. Um beijo♥

    ResponderExcluir
  2. Que doença mais drástica! Nossa!!! E que situação para a nova mamãe, deve ser muito complicado estar envolvida com tudo isso né?
    Fiquei curiosa para saber como o autor conseguiu interligar todas essas histórias a Harper e como será o desfecho dessa gravidez.
    Apesar de não curtir o gênero literário, fiquei interessada nessa obra.
    Beijos
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  3. Olá.
    Desde que começou a divulgação desse livro, já fiquei bem ansiosa para ler! Ainda não conheço a escrita do autor, mas sei que seus livros são ótimos.
    Amei sua resenha; além de muito bem escrita, me deixou com uma ótima expectativa para o que esperar desse livro.
    Na lista de desejados, com certeza. Obrigada!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Ouvi comentários bons e ruins sobre o livro. Gosto da premissa dele de abordar temas importantes como a segregação entre as pessoas da sociedade, o que me lembra muito da luta contra as drogas, onde as pessoas que precisam de ajuda são discriminadas e odiadas.
    Adoro the walking dead e achei a menção super válida. Parece com a história.
    A doença também me lembrou muito uma que tem em got.
    Espero me surpreender com a leitura dele.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Como estou lendo vários livros desse gênero ultimamente é claro que vou anotar essa dica.
    Quero muito ler os livros do autor, porque sempre tive curiosidade <3
    Adoro a premissa e os temas que ele aborda.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Amanda, então Joe Hill é filho de Stephen King, que legal saber que o filho herdou o talento do pai em escrever histórias que cativam o leitor em seu gênero. Achei a ideia muito legal e analogia com The Walking Dead pertinente, pensei logo nela ao começar a ler a resenha. Já criei uma empatia por Harper e gostei que ela evolui durante a trama se transformando em uma mulher forte, eu gosto de acompanhar esse processo nas histórias. A capa tá ótima, curti a resenha demais e anotei a dica pra ler futuramente :)

    ResponderExcluir
  7. O único livro que li do autor é O Pacto, e gostei bastante do livro. Fiquei muito interessada nesse livro, achei o enredo dele muito interessante, e fiquei bem curiosa pra saber como essa história vai terminar. Gostei de saber que os personagens são marcantes, e que o livro traz várias referências, e concordo que a narrativa do autor é alucinante.
    Fiquei com bastante vontade de ler esse livro :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. ANDRÉA!
    Infelizmente ainda não tive oportunidade de ler nenhum livro do autor, uma pena!
    Lendo sua resenha, não sei porque, lembrei de Caixa de pássaros, onde não se sabia de onde vinha 'as criaturas', a protagonista também estava grávida e viveu o dilema de ter ou não o bebê e no final, encontra um local mais protegido...
    DE qualquer forma, a curiosidade me faz desejar fazer a leitura.
    “Ciência é conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada.” (Immanuel Kant)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Nossa, adorei a ideia do autor colocar um cenário apocalíptico na estória e essa doença misteriosa que parece com Escama de Dragão?! Foi genial! Amei a premissa do livro e fiquei louca curiosidade para saber mais sobre essa obra.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  10. Juro que pela capa e nome esse livro não me chamaria atenção nenhuma e nem me faria imaginar que a premissa dele é a que você nos apresentou, imaginaria algo totalmente diferente... Ainda bem que existem pessoas maravilhosas como vc para nos trazer resenhas de livros incríveis.
    Adorei a história, muito diferente e parece ser bem cativante mesmo onde vc quer ler até desvendar o que acontece e por isso não para um segundo. Eu não sabia que o autor era filho do mestre King, legal ele ter seguido os mesmos passos.

    ResponderExcluir
  11. Olá, o autor conseguiu inovar o tema batido que é o apocalipse, nos entregando algo original e com personagens bem caracterizados. Estou louco para ler este livro pois já ouvi muitos elogios sobre Joe Hill. Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oi Amanda,
    Adoro histórias que tenham uma epidemia como ponto de partida da trama. Harper é uma mulher corajosa, pois mesmo quando descobre a gravidez ela continua seu trabalho com os infectados e se mantém firme em suas decisões, mesmo que isto custe seu casamento e sua saúde. Acho que minha maior preocupação em um livro como esse é em como a história será contada, pois em uma trama onde mistérios e dramas pessoas se misturam o foco pode se desviar e a história central não é tão explorada. Mas como Joe Hill não é nenhum amador no gênero, não tenho dúvidas de que a leitura será surpreendente. Apesar da história ser bem ficcional, é impossível não reparar nas analogias feitas com a nossa realidade, tanto no comportamento humano quanto na forma de viver e de se relacionar da sociedade.

    ResponderExcluir
  13. Oi Amanda,
    Pelo jeito o filho puxou o talento do pai né? Que livro incrível! Estava esperando ansiosamente uma resenha desse livro, pois a premissa me fisgou completamente. Se o próprio mestre George R. R. Martin está dizendo que a história é original e envolvente, sem sombra de duvida é uma leitura prazerosa e eletrizante de inicio ao fim. Adorei o cenário apocalíptico criado, o mistério que permeia dessa doença instiga o leitor a ler o livro freneticamente. A trama bem construída, com tudo bem amarrado e conduzido, sem falar nos personagens bem desenvolvidos só me deixa ainda mais empolgada em conhecer a escrita do Joe Hill. O fato de que a história aborda alguns aspectos da sociedade que geram reflexão é mais um ponto positivo da escrita desse autor.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Eu confesso que esse não é o tipo de livro que eu costumo gostar, mas sou doida pra ler algo do autor. Eu gosto bastante dos livros do Stephen King, e espero que ele tenha passado esse dom para o filho kkkkk
    A história desse livro é muito interessante e fiquei bem curiosa pra saber mais dela. Já imagino que vou gostar muito dos personagens, e gostei de saber que a narrativa do autor é tão boa assim. Espero ler esse livro logo.
    Bjss ^^

    ResponderExcluir
  15. Já havia lido uma resenha do mesmo livro, onde vi muitos pontos negativos, e quando me deparei com sua resenha positiva, fiquei bastante feliz, pois estava entusiasmada com a premissa desta estória. Ainda bem que todo este caus, foi muito bem construído pelo o autor, a doença, o fato de estar a beira de um apocalipse, e a reflexões apresentadas sobre a humanidade, de modo geral, me cativaram, e me chamaram a atenção para esta leitura.

    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Já li diversas resenha sobre este livro, e acabei ficando muito curiosa para conferir a história deste livro, ler sua resenha positiva sobre a história só me deixou mais curiosa para ler Mestre das Chamas, que parece ser um ótimo livro, espero ler ele em breve e espero gostar da história.

    ResponderExcluir
  17. Nunca tinha visto nenhuma resenha desse livro, mas confesso que fiquei bastante interessada !!! Fiquei curiosa pra saber como eles vao tentar combater essa doença e como a enfermeira vai lidar c a doença e c a gravidez e com o marido nojento ! Realmente os personagens são bem cativantes !!! E o livro é rico em conteúdo! Quero muito ler.

    ResponderExcluir
  18. Oi!
    Eu já tinha visto esse livro no perfil da editora e tinha ficado apaixonada pela capa, mas agora vendo sua resenha com uma nota tão alta me empolguei ainda mais pra ler.
    Achei muito interessante o cenário apocalíptico ser ligado a doenças das pessoas, acho que nunca li nada do tipo

    ResponderExcluir
  19. Oi! Confesso que descobri agora que Joe Hill é filho de Stephen King hahhaha Eu to louca por esse livro! Depois da tua resenha fiquei mais ainda. Não vejo a hora de mergulhar nesse cenário e conhecer a escrita do autor. Quero conhecer mais sobre essa doença contagiosa (e estranha) pois amo livros do genero. Amei a resenha! Beijoss

    ResponderExcluir
  20. Eu li tua resenha e me senti como se tivesse assistindo na tv, gostei do enredo, a história chamou minha atenção, e tua resenha foi bem no ponto, com certeza é uma história que vou ler.

    ResponderExcluir
  21. oi ^^
    eu comecei a ler esse livro agora e achei uma fofura a parte da mary poppins.
    eu parei antes dela ficar grávida, mas olha te contar eu tava incomodada com o marido dela, sei lá meu santo n bateu com o dele.
    que bom q gostou do livro. espero gostar tbm da leitura :) estou bem animada
    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  22. Olá!
    Que livro interessante, misturando doênça com fantasia e maravilhoso. A trama e muito envolvente, te faz mostra que muitos desejar fica longe daquele que ama mesmo a pessoa estando doente e isso e injusto. Gostei muito da resenha, o livro com certeza tem uma premissa boa, já entrou em minha lista de leitura!

    ResponderExcluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.