✓ Resenha: Inventei Você? - Francesca Zappia

terça-feira, 18 de julho de 2017



Sinopse: Alex está no último ano do ensino médio e trava uma batalha diária para diferenciar realidade de ilusão. Armada com uma atitude implacável, sua máquina fotográfica, uma Bola 8 Mágica e sua única aliada — a irmã mais nova —, ela declara guerra contra sua esquizofrenia, determinada a permanecer sã o suficiente para entrar na faculdade. E Alex está bem otimista com suas chances, até se deparar com Miles. Será mesmo aquele garoto de olhos azuis com quem ela compartilhou um momento marcante no passado? Mas ele não tinha sido produto da sua imaginação?
Antes que possa perceber, Alex está fazendo amigos, indo a festas, se apaixonando e experimentando todos os ritos de passagem tipicamente adolescentes. O problema é que ela não está preparada para ser normal.
Engraçado, provocativo e emocionante, com sua protagonista nada confiável, Inventei você? vai fazer os leitores virarem as páginas alucinadamente, tentando decifrar o que é real e o que é invenção de Alex.

Título: Inventei Você? (Skoob)
Autor: Francesca Zappia
Gênero: YA
Editora: Verus
Páginas: 346
Onde comprar: Amazon / Saraiva
Classificação: 9,9 (Excelente!)
Livro cedido em parceria com a editora.




“Às vezes, acho que as pessoas tomam a realidade como algo certo.” (p. 19)

A trama inicia com uma garota de sete anos em um supermercado. Enquanto sua mãe fazia as compras, ela faz amizade com um garoto com olhos azuis muito intensos – que ela apelida de “Olhos Azuis” – e, juntos, eles abrem o tanque de lagostas e soltam as lagostas no mercado.

Entretanto, aos treze anos, ela descobre que jamais havia soltado aquelas lagostas: tudo não passou de uma alucinação e ela é diagnosticada com esquizofrenia. A doença a faz ter alucinações constantes em seu dia-a-dia e uma das características é que as alucinações sempre apresentam cores muito vivas, como as lagostas, que eram extremamente vermelhas. Para conseguir diferenciar o real do irreal, Alexandra Ridgemont começa a andar sempre com uma câmera e fotografa qualquer coisa suspeita.

“Eu não podia me dar ao luxo de tomar a realidade como algo bem definido. E não diria que odiava as pessoas que podiam, porque, basicamente, eram todas as pessoas. Eu não as odiava. Elas não viviam no meu mundo.
Mas isso nunca me impediu de desejar viver no mundo delas.”

Alex agora irá iniciar o último ano do ensino médio, em uma nova escola, após um incidente ocorrer em seu antigo colégio. Seu único amigo é Tucker, que trabalha no mesmo restaurante em que Alex é garçonete. Um pouco antes das aulas começarem, ela atende um cliente com olhos tão azuis como os do garoto que viu na infância. Mais tarde, descobre que o garoto – Miles – não só estuda no mesmo colégio, como também na mesma sala que ela.

Miles é um garoto mal-encarado e de poucos amigos, sendo que todos da escola têm medo dele. Alex começa a se perguntar se ele realmente é o “Olhos Azuis” da sua infância ou se também é uma alucinação. Aos poucos, começa a se aproximar do estranho garoto, mas a relação não é das melhores: ele destrói seus livros da escola, o que a fez colar seu armário como vingança. Sua primeira impressão é a de que ele não passa de um babaca que, de jeito nenhum, sorri.

Alex é extremamente paranoica, principalmente com comunistas escondidos por aí ou escutas em sua comida. Por isso, segue estranhos rituais de verificação do perímetro para constatar que não há nada de anormal por todos os locais que anda.

Apesar das atitudes diferentes, gostei muito da Alex. Ela é uma garota com muita atitude, que faz o que precisa ser feito, sem ficar se fazendo de vítima ou esperando um milagre do céu. Apesar de não aceitar bem sua condição psicológica, e esconder isso de todos a todo custo, ela aprendeu a conviver com sua realidade e encontrar formas de driblar a paranoia. A técnica que inventou para conseguir distinguir o que é real do que é uma alucinação foi muito bem pensada. Ela possui sua irmãzinha Charlie como o maior apoio de sua família, apesar de se dar bem com o seu pai, mas sempre acha que a mãe quer se livrar dela.

Mesmo sem saber o que é real ou não, Alex enfrenta o seu dia-a-dia com muita força, batendo de frente com os alunos riquinhos do colégio, se for preciso. Sua rotina não é nada fácil, tentar se adaptar ao novo colégio e parecer normal em pleno ensino médio quando sua própria cabeça lhe prega peças é exaustivo. Para piorar, ainda há a faculdade se aproximando e a incerteza sobre seu futuro.

“Ri quando me lembrei de Tucker mencionar a ponte naquele dia mais cedo. A bruxa vermelha? A que arrancava as vísceras de viajantes, se banhava no sangue deles e gritava como uma alma penada? Não, eu não estava com medo dela. A noite podia deixar tudo de cabeça para baixo, do avesso e assustador pra caramba, mas não para mim.
[...] A coisa mais assustadora à solta, naquela noite, era eu.” (p. 64)

Miles também é um personagem bem complexo. Ao fazer o estilo mal-encarado, ele é uma espécie de nerd às avessas, ou seja, o primeiro aluno da sala mas também aquele que todos têm medo. Com sérios problemas familiares, Alex é a primeira pessoa que consegue se aproximar e evidenciar o seu melhor lado. Ela vê em Miles algo que ninguém consegue ver: sua capacidade de sentir emoção e, juntos, acabam encontrando no outro o que faltava dentro deles.

“Olhos Azuis era a pequena chama de uma vela na escuridão, e, mesmo que eu não soubesse ao certo se Miles era realmente Olhos Azuis, não podia deixá-la se apagar.” (p. 167)

A história é ambientada em Hannibal’s Rest, Indiana, sendo muito bem descrito o contraste entre o bairro rico Downing Heights e o pobre Lakeview. A trama conta com vários personagens, como os pais de Alex e de Miles, o colega Tucker, entre outros. Contudo, o foco concentra-se nos personagens Alex e Miles e na forma como ambos, de personalidades tão drasticamente diferentes e com sérios problemas pessoais, acabam mantendo uma relação que nenhum dos dois havia vivenciado antes.

O tema da esquizofrenia, apesar de ser sério, é abordado de uma forma mais leve. Mesmo com as inúmeras dificuldades de Alex para discernir o real do irreal, ela conta com métodos criativos para desvendar a realidade e mantém consciência de sua doença, evitando atitudes que possa piorá-la. Além de suas superações, também contamos com as de Miles e o entendimento de ambos sobre o futuro, a vida e de que as coisas podem ser menos complicadas.

“− Não, você não é uma má pessoa – disse ele. – E o Richter não é uma má pessoa, e eu não sou uma má pessoa. Somos apenas pessoas, e as pessoas às vezes fazem coisas idiotas.” (p. 252)

No início do livro há uma citação de Sylvia Plath, de Redoma de Vidro. Essa mesma citação eu encontrei durante a leitura do livro Redoma, de Meg Wolitzer, e ambos os livros tratam de assuntos semelhantes. Enfim, eu adorei essa frase desde a primeira vez que li, apesar de ainda não ter lido a obra de Sylvia Plath (mas querer muito ler!).

“Fecho os olhos e o mundo todo cai morto;
Ergo as pálpebras e tudo renasce.
(Acho que inventei você na minha cabeça.)
- Sylvia Plath, “Canção de amor da jovem louca”, In Redoma de vidro.”

Tanto a capa quanto a diagramação estão lindas, os inícios dos capítulos são decorados com a imagem de uma lagosta, e as cores da capa são realmente fantásticas. A revisão também está impecável. As letras grandes e os capítulos curtos dão um ótimo ritmo à leitura. A narrativa de Francesca Zappia é gostosa e a leitura flui de uma maneira natural e com fácil compreensão.

Inventei você? é um livro ambientado por adolescentes, mas que aborda questões profundas envolvendo família, amizade, amor, a forma como tratamos os outros e como somos tratados, e como isso interfere em nossas vidas. Fala sobre uma doença séria, mas também sobre superação. Sobre pessoas completamente diferentes que se tornam melhores na companhia um do outro. Alex surgiu não só para transformar a vida de Miles, mas também a dos leitores dessa incrível obra!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

19 comentários:

  1. Olá!
    Estou muito curiosa para ler esse livro exatamente por causa da premissa.
    Nunca li nenhum livro em que o protagonista tivesse esquizofrenia, então acredito que tem tudo pra dar certo e ser um ótimo livro <3
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Amanda, história interessante com uma protagonista que foge dos padrões, não me lembro de já ter lido uma história onde a protagonista era esquizofrênica e achei isso muito bacana pois vai ajudar o leitor a entender um pouco mais sobre essa doença, ao menos os leigos como eu, que sei bem pouco sobre ela. Imagino que o fato dela ter alucinações vai colocar em cheque diversas situações vividas por ela e achei bem positivo o fato dela conseguir levar uma vida normal. Gostei da resenha e fiquei sim interessada em ler ;)

    ResponderExcluir
  3. Oi, Amanda!!
    Amei conhecer esse livro , e achei a estória bem legal e muito interessante. Imagino como é difícil uma adolescente descobrir que tem esquizofrenia. E também gostei bastante da resenha e com certeza e uma estória maravilhosa por envolver um pouco sobre a família, amizade e amor.
    Beijoss

    ResponderExcluir
  4. O tema abordado é realmente sério e super me interessou. Fico feliz que tenha sido retratado de uma maneira leve e gostosa de se acompanhar.
    Fiquei bem curiosa pra saber mais sobre Alex e Miles e conhecer como ambos vão viver essa relação.
    Pela sua nota e resenha, a obra é incrível e muito bem desenvolvida. Parece mesmo ser uma leitura envolvente e espero conferir em breve.
    Beijos
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  5. Oi Amanda :)
    Gostei muito da premissa do livro. A Alex parece ser bem neorótica com os acontecimentos da vida dela. Acho que eu vou ficar perdida tentando entender o que é real ou não. Não sei o que esperar do Miles. Não entendi bem a proposta do personagem. Adorei a ambientação e capa. Com certeza a capa é muito fofa *-*

    ResponderExcluir
  6. Olá, a autora criou uma forma criativa de falar sobre os problemas da juventude, com uma protagonista que é fácil de se gostar. Espero ler a obra em breve, beijos.

    ResponderExcluir
  7. Eu nunca li um livro que tivesse algum personagem com esquizofrenia, mas eu sei que essa é uma doença bem delicada. Fiquei com muita vontade de ler esse livro, a história dele parece ser muito boa mesmo, e gostei de saber que o tema foi abordado de uma forma leve. Com certeza já vou colocar nos meus desejados.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Parece ser uma história bastante interessante e adorei o tema que o livro aborda, apesar de abordar de uma forma mais leve, é sempre bom saber mais sobre essa patologia, e como funciona na cabeça da pessoa que tem!! Eu achei tão bonitinho a história dela com Olhos azuis, e como é bonito eles ter um ao outro e ele n ser aquela pessoa q todo mundo acha que é. Adorei os quotes e a capa é muito linda.

    ResponderExcluir
  9. Amanda!
    Deve ser um daqueles livros em que ficamos na dúvida se o que a protagonista vê e sente faz parte da realidade ou se é apenas alucinação, criação de um mundo na cabeça dela e parece real, mas na verdade para ela é real, é assim que essa doença se manifesta.
    Como tenho formação em psicologia, gostaria muito de apreciar a leitura.
    “Educar é semear com sabedoria e colher com paciência.” (Augusto Cury)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Que livro incrível Amanda,
    Fiquei muito empolgada em saber que a história não decepciona, pois a sinopse me encantou quando vi o lançamento do livro. Gosto de livros que abordam doenças mentais, geralmente esse tema inserido na trama traz um história comovente, de superação e com uma carga reflexiva forte. Então vou adorar conhecer a história da Alex, essa garota parece ser uma protagonista bem forte e destemida, quero acompanhar a jornada dela.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi.
    Achei a proposta do livro bem interessante. Creio que nunca li nada com esse tema, mas quem sabe uma hora dessas venha a conferir, pois o livro trata de um assunto bem difícil e importante.
    Sua resenha está ótima, parabéns.
    Obrigada pela dica.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. A primeira coisa que me interessou nesse livro foi a capa, acho ela bem bonita. Geralmente eu gosto de ler livros com problemas, doenças e todos esses dramas então acho que eu ia gostar muito de ler esse livro, e a esquizofrenia está muito mais presente em nossas vidas e na de muitos outros mais do que imaginamos. Mas gostei de saber que apesar do tema ser bem sério, foi abordado de uma forma leve no livro. Tenho bastante vontade de ler o livro, e acho que também vou gostar bastante do livro.
    Bjss ^^

    ResponderExcluir
  13. Oi! Adorei a proposta do livro! Muito legal saber que a Alex é forte e não se deixa abalar pelos outros ou por sua doença. Deve ser um ótimo livro de superação! Fiquei curiosa para saber se o garoto da sua sala é o mesmo que ela conheceu na infância. Beijoss

    ResponderExcluir
  14. Bem diferente a história deste livro que aborda a maneira que a personagem enfrenta suas dificuldades e aborda a esquizofrenia de forma mais leve, achei interessante a história mostrar questões profundas e fiquei muito curiosa para conferir esta história. Adicionei Inventei Você em minha lista de leituras.

    ResponderExcluir
  15. Oi Amanda, tudo bem? Olha, só tenho a agradecer por essa resenha pois esse livro me cativou de uma forma tão positiva, eu achei muito interessante e estou cheia de sede pra ler e conhecer um pouco mais da história da Alex. Assim que li que ela começou a fotografar pra saber se era real ou não pensei como você, que era a melhor ideia da vida, hahaha, muito bem bolada. Eu quero esse livro! <3

    ResponderExcluir
  16. Este e o primeiro livro que aborda a esquizofrenia de uma forma branda, já que a sociedade vê esta doença de forma agressiva, louca, e paranoica. Quando li sua resenha fiquei impressionada, como a autora construída de maneira plena a forma como a garota usa da diferenciar, o real, do irreal, pois esta e um dos sintomas da doença. Estou muito ansiosa por esta leitura, e espero gostar e muito desta estória.

    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oi!
    Eu quero muito esse livro desde o lançamento, e com certeza depois da sua resenha me animei ainda mais.
    Adoro livros onde doenças como esquizofrenia são tratadas com seriedade, pois assim muitas pessoas podem entender o que é para a pessoa que tem a doença viver com aquilo, e também para a família.
    Já está na minha lista esse livro, tenho certeza que vou amar a história

    ResponderExcluir
  18. Que história é essa?
    Me emocionei com a resenha..
    Já tenho um carinho pela Alex e Miles .
    Quero muito conhecer a história deles 💜

    ResponderExcluir
  19. Olá!
    Que historia super fofa e ao mesmo tempo diferente. A trama e uma maravilha, envolve indecisão de adolescente, medos, fracassos e isso são coisas maravilhosas e otimas na fase da adolescencia de alguém. Amei o livro e já entrou em minha lista de leitura!

    ResponderExcluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.