✓ Resenha: Boneco de Pano - Daniel Cole

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Sinopse: VOCÊ ESTÁ NA LISTA DE UM ASSASSINO. E ELA DIZ QUANDO VOCÊ VAI MORRER.
O polêmico detetive William Fawkes, conhecido como Wolf, acaba de voltar à ativa depois de meses em tratamento psicológico por conta de uma tentativa de agressão. Ansioso por um caso importante, ele acredita que está diante da grande chance de sua carreira quando Emily Baxter, sua amiga e ex-parceira de trabalho, pede a sua ajuda na investigação de um assassinato. O cadáver é composto por partes do corpo de seis pessoas, costuradas de forma a imitar um boneco de pano.
Enquanto Wolf tenta identificar as vítimas, sua ex-mulher, a repórter Andrea Hall, recebe de uma fonte anônima fotografias da cena do crime, além de uma lista com o nome de seis pessoas – e as datas em que o assassino pretende matar cada uma delas para montar o próximo boneco. O último nome na lista é o de Wolf.
Agora, para salvar a vida do amigo, Emily precisa lutar contra o tempo para descobrir o que conecta as vítimas antes que o criminoso ataque novamente. Ao mesmo tempo, a sentença de morte com data marcada desperta as memórias mais sombrias de Wolf, e o detetive teme que os assassinatos tenham mais a ver com ele – e com seu passado – do que qualquer um possa imaginar.

Título: Boneco de Pano (Skoob)
Autor: Daniel Cole
Série: Detetive William Fawkes # 1
Gênero: Thriller Policial
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Onde comprar: Amazon / Saraiva
Classificação: 9,6 (Ótimo)
Livro cedido em parceria com a editora. 




Boneco de Pano é um thriller policial bem envolvente e instigante, livro de estréia do autor britânico (e que estreia!)

A história é ambientada em Londres – eu amo livros que se passam em Londres! – e temos os seguintes detetives para desvendar o caso do “monstrengo” de mal gosto: Wolf, Emily, Simmons e o estagiário Edmunds.

A premissa é bem chocante: um corpo nu é encontrado em um apartamento, pendurado por ganchos industriais, coincidentemente na rua em frente da onde o detetive Wolf está hospedado, mas em apenas um corpo há seis vítimas: cada membro, grossamente remendado, pertence a uma pessoa. Uma perna branca contrasta morbidamente com a perna negra.

“Intrigado, ele se aproximou para ver melhor. Gigantescos pontos cirúrgicos alinhavam as partes desconexas de corpos diferentes. De um lado uma perna masculina negra; do outro, uma feminina branca. À direita, a mão grande de um homem; À esquerda, a mão bronzeada de uma mulher. O negro dos cabelos desgrenhados fazia um forte contraste com a pele alva e sardenta do tronco feminino.” (p. 22)

No começo temos uma cena ocorrida quatro anos antes, onde Samantha faz parte do grupo de doze jurados de um crime cometido pelo Cremador. A cena se desenvolve de forma caótica, com o detetive Wolf partindo para cima do réu Naguib Khalid.

O Cremador foi responsável por 27 vítimas em 27 dias, sendo as vítimas prostitutas entre 14 e 16 anos. 

Quatro anos depois, somos surpreendidos com o caso Boneco de Pano, como a mídia apelida. Andrea, jornalista e ex-mulher de Wolf, recebe uma lista do assassino com seis nomes e seis datas. E então começa uma corrida contra o tempo.

Na lista conta nomes importantes, como o prefeito da cidade, um jornalista, um segurança... O que poderiam ter em comum? No corpo encontrado, os detetives precisarão investigar pequenas pistas deixadas pelo Bonequeiro (outro nome horrível que a mídia deu ao assassino meticuloso que, a propósito, não deixou uma gota de sangue para trás), como uma unha pintada de roxo, uma marca de cirurgia na perna, um anel...

As formas como o Bonequeiro persegue suas vítimas são criativas e, por incrível que pareça, é como se ele soubesse todos os passos dos detetives, estando sempre um a frente.

“−Sete mortos... e até agora as únicas armas identificadas foram flores, uma bombinha e um peixe. – Simmons balançou a cabeça numa atitude pessimista. – Lembra-se dos velhos tempos quando as pessoas tinham a decência de simplesmente sacar um revólver e atirar nas outras?” (p. 74)

A história conta com vários personagens, mas a trama se estrutura ao redor do detetive Wolf, sua ex-mulher Andrea – uma jornalista pouco discreta – e a detetive Emily. Paralelo ao caso policial, temos também a conflituosa relação dos três, o que Emily sente por Wolf vai além da amizade?

O tema chama a atenção devido a morbidade do crime. Confesso que livros de assassinatos ambientados em Londres sempre me deixam um pouco perturbada rs. A narrativa se encaixa perfeitamente ao tema: segue em um ritmo frenético e é difícil parar de ler.

Achei o detetive Wolf um pouco estereotipado, ou seja, aquele detetive encarnado que não mede esforços para capturar um criminoso, nem que seja batendo no réu após o julgamento. Lembrei um pouco do personagem Ryan Hardy da série policial The Following (adoro ele, por sinal). O que é bom, de fato, mas mostra alguém que não segue nenhuma regra que não seja a própria. O fato de ser ex-marido de uma jornalista – tão determinada quanto Wolf, a propósito, disposta a passar por cima de certos valores em nome da carreira – torna sua situação ainda mais interessante. Estaria ela disposta a ajudar ou apenas buscando alavancar sua carreira?

Wolf nos revela vários lados ao decorrer da história, inclusive um episódio em que precisou ser internado em um hospital psiquiátrico... O que torna tudo mais misterioso.

A detetive Emily é aquela personagem que você passa a gostar aos poucos, incomodado com certas atitudes rudes. E o estagiário Edmunds é o detetive dos sonhos: o funcionário proativo que acabou de ser transferido de outro departamento e traz uma visão nova que nenhum detetive ousaria imaginar.

Achei a capa meio simples, acho que poderia ter sido melhor explorada. A diagramação estava ótima, mas a revisão perdeu um ponto por um erro de digitação feinho, rs.

No geral, Boneco de Pano é um livro de leitura rápida, bem instigante e criativo, com certeza os fãs de assassinatos e thriller policiais vão adorar!

“Haveria alguma coisa de errado com ela? Seria natural preferir as emoções fortes e traumáticas à total falta de emoções? Talvez fossem essas as perguntas que os assassinos também se faziam apara justificar suas atrocidades.” (p. 200)






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

13 comentários:

  1. Oi Amanda, apesar de assistir muitas séries policiais (até anotei a dica pra procurar saber sobre The Following que você citou), me arrisco pouco nesse gênero literário, mas esse parece ser um livro muito bom e uma estréia e tanto pra o autor. Lendo a resenha consegui imaginar facilmente um filme ou até mesmo uma série com esse caso, que é muito chamativo e me deixou curiosa. Curti muito a resenha e concordo contigo que a capa poderia ser mais chamativa, mas já anotei a dica ;)

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Gente, esse livro me lembrou um filme chamado Centopéia Humana, que é meio perturbador. Quando eu vi esse livro exposto na livraria de cara já me chamou atenção, estava parecendo uma cena de crime. Eu amei a premissa, tô doida pra poder tê-lo em mãos, é o tipo de livro que eu adoro, cheio de suspense e tudo mais. E eu discordo de vocês, acho a capa muito legal, minimalista e ao mesmo tempo representando bem o que tem dentro do livro, hehehe.

    ResponderExcluir
  4. Oi.
    Eu li essa história recentemente e confesso que adorei os personagens são bem intrigantes a premissa também me chamou bastante atenção desde que vi lançamento mas concordo com você a capa é muito simples deveria ter sido melhor explorado Mas no geral essa foi para mim uma boa leitura e eu desfrutei bastante.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite!
    Nossa, estou louco por esse livro! Sempre vejo o pessoal falando bem e confesso que sua premissa, para mim, é uma das mais cativantes dos últimos tempos em romances policiais. O autor foi genial em pensar num criminoso que constrói um corpo só com partes de várias pessoas.
    Deve ser angustiante para esses detetives ter uma lista com os nomes das próximas vítimas e se esforçar ao máximo para salvá-las.
    Adorei sua resenha.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Oi Amanda
    A premissa é mais do que chocante, é completamente sombria! Adoro thriller policial, amo tramas com investigação, assassinato... essas histórias são viciantes e são leituras de tirar o fôlego. Fiquei intrigada com esse livro quando vi o lançamento, deu até uma pitada de receio, pois achei o crime mórbido demais, mas agora estou curiosa para saber o desfecho desse crime, vou querer ler sim! Já esta devidamente anotado na lista de desejados.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Não sou muito chegada a esse gênero literário. Mas estou animada pra ler o livro, pois estou vendo bastantes comentários positivos (sua resenha é um deles).
    Parece ser uma leitura bem envolvente, do inicio ao fim!
    E a história tem um certo diferencial, que chama a atenção do leitor. Parece ser muito bem construída, os personagens também.
    Espero conferir em breve. As vezes é bom sair um pouco da nossa zona de conforto rs.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  8. Amanda!
    Amo os thrilers policiais quando beme scritos e que não deixam dúvidas no final, porque ultimamente os autores acham bonito deixar um final aberto, que até gosto, mas em outros estilos de livros, não nesse.
    Deve ser macabro mesmo toda constituição do tal boneco, formado através de vários corpos assassinados.
    Curiosa em poder ler.
    Desejo uma ótima semana!
    “Onde há estudo - há sabedoria.” (Textos Judaicos)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Estou lendo mais livro com esse gênero mais de terror.
    Estou gostando bastante.
    Adorei a capa e a trama e quero muito ler, pois estão todos falando super bem dele.
    Assassinos e tramas policiais estão me fazendo pirar. Vou comprar e devora-lo.

    ResponderExcluir
  10. Eu gosto muito de premissas como a desse livro, casos chocantes e literatura crua! Ainda mais quando o escritor consegue te prender e te envolver em uma trama que ficamos incapazes de largar o livro. O trabalho da editora na capa ficou sutil mas bem representativo, pelo que entendi da resenha. Vou adicionar a minha wishlist, certeza

    ResponderExcluir
  11. Olá Andrea!
    Gostei bastante da premissa do livro. Amo muito filme, serie ou livros que haja investigação criminal, isso pra mim e incrivel como eles consegue descobrir quem matou, em cada detalhe que eles encontrar. Com certeza será um dos livros que irei amar.

    ResponderExcluir
  12. Eu curti bastante o livro, de vdd. Tive algumas ressalvas (quando a gente não tem, não é msm?), mas nada que me fizesse gostar menos do livro. Achei a leitura fluída e a história me prendeu. Como eu disse na minha resenha, a identidade do vilão não me interessou mt, pq fiquei LOUCO pelos diálogos! <3

    Adorei o post! :D

    Abraços.
    Alex, do Um Bookaholic. <3
    umbookaholic.com | Canal | @umbookaholic: Twitter | Instagram

    ResponderExcluir

Se você tem um blog, deixe o link, retribuo com carinho todos os comentários!

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.