✓ Resenha: Ninfeias Negras - Michel Bussi

terça-feira, 7 de março de 2017


Sinopse: Giverny é uma cidadezinha mundialmente conhecida, que atrai multidões de turistas todos os anos. Afinal, Claude Monet, um dos maiores nomes do Impressionismo, a imortalizou em seus quadros, com seus jardins, a ponte japonesa e as ninfeias no laguinho.
É nesse cenário que um respeitado médico é encontrado morto, e os investigadores encarregados do crime se veem enredados numa trama em que nada é o que parece à primeira vista. Como numa tela impressionista, as pinceladas da narrativa se confundem para, enfim, darem forma a uma história envolvente de morte e mistério em que cada personagem é um enigma à parte - principalmente as protagonistas.
Três mulheres intensas, ligadas pelo mistério. Uma menina prodígio de 11 anos que sonha ser uma grande pintora. A professora da única escola local, que deseja uma paixão verdadeira e vida nova, mas está presa num casamento sem amor. E, no centro de tudo, uma senhora idosa que observa o mundo do alto de sua janela.

Título: Ninfeias Negras
Autor: Michel Bussi
Gênero: Thriller
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Onde comprar: Amazon / Saraiva
Classificação: 
Livro cedido em parceria com a editora. 





A história se passa em Giverny, um vilarejo na França habitado por 300 pessoas e marcado pelos pintores impressionistas. A trama se desenvolve ao lado de três mulheres: Fanette Morelle, de 11 anos, Stéphanie Dupain, de 36 anos e a narradora, a velha – como ela mesma se chama – de 84 anos.

“Num vilarejo, viviam três mulheres.
A primeira era má; a segunda, mentirosa; a terceira, egoísta.
O vilarejo tinha um belo nome de jardim. Giverny.


[...] A primeira, a mais velha, era dona de um belo quadro, a segunda se interessava muito por artistas, e a terceira, a mais jovenzinha, pintava bem.” (p. 11)

Certo dia o cadáver de Jérôme Morval, um importante cirurgião, é encontrado no regato com marcas de facada, trauma no crânio e afogamento. Jérôme era casado, apesar de infiel, e apaixonado por pintura. O inspetor Laurenç Sérénac e seu assistente Sylvio Bénavides assumem a investigação do caso e, em pouco tempo, recebem fotos anônimas que insinuam mulheres que seriam amantes de Jérôme, entre elas está Stéphanie, a professora infantil do vilarejo.

Enquanto os investigadores colhem informações sobre o assassinato, Stéphanie nutre esperanças de um dia sair de Giverny – mesmo sendo casada com Jacques há anos, Fanette pinta uma obra para inscrever no concurso internacional de arte Desafio Jovens Pintores e a velha que narra a história observa tudo o que ocorre em Giverny do alto da torre em que mora, no moinho.

Além das fotos das amantes, os inspetores também se deparam com telas valiosas de Claude Monet, supostamente perdidas, um cartão postal comemorando o aniversário de uma criança de 11 anos, além de um caso misterioso ocorrido há anos em que uma criança foi morta de modo semelhante ao de Jérôme. Para ajudar, Sérénac parece estar cada vez mais envolvido – ou seria atraído? – pelo doce olhar lilás de Stéphanie...

“O cartão de aniversário é transferido para as mãos do inspetor Bénavides. Sérénac ergue a cabeça, observa. O lavadouro. A ponte. O moinho. O vilarejo de Giverny que vai despertando. Os jardins de Monet, um pouco mais adiante. A pradaria e os choupos.
As nuvens que se prendem às colinas arborizadas.
Aquelas nove palavras que se prendem ao seu pensamento.
O crime de sonhar eu consinto que seja instaurado.” (p. 24)

Impressionante é pouco para descrever o que a obra Ninfeias Negras é. A narrativa é super envolvente, daquelas que te faz virar capítulo atrás de capítulo, tanto para desvendar junto com os investigadores o mistério do assassinato de Jérôme, quanto para descobrir mais sobre a tela que Fanette está pintando, se Stephanie terá ou não coragem para largar o marido ou quem é a velha que nos conta a história e qual seu envolvimento nos acontecimentos do vilarejo – é claro que ela está sempre de olho em tudo o que acontece.

“Olhe para esse jardim inspetor, as rosas, a estufa, o laguinho. Vou lhe revelar outro segredo. Giverny é uma armadilha! Um cenário maravilhoso, sem dúvida alguma. Quem poderia sonhar em viver em outro lugar? Um vilarejo tão bonito. Mas vou lhe confessar: o cenário está paralisado. Petrificado. É proibido mudar a decoração de qualquer casa, pintar uma parede, colher um a mísera flor. Dez leis proíbem tudo isso. Nós aqui vivemos dentro de um quadro. Estamos emparedados! Achamos que estamos no centro do mundo, que valemos a viagem, como se diz. Mas o que acaba escorrendo em nós é a paisagem, o cenário. Uma espécie de verniz que nos cola ao cenário. Um verniz diário de resignação. De renúncia...” (p. 166)

A trama é original e apresenta um assassinato como pano de fundo, pois paralelamente à investigação temos a pequena Fanette e seu dom de pintura, seus colegas Paul e Vincent, a amargura de Stéphanie quanto ao seu casamento, o pastor-alemão Netuno, sempre presente em todas as cenas do vilarejo, o pintor americano James, entre outros personagens que habitam Giverny e nos envolvem com suas tramas pessoais.

Os personagens são bem definidos e possuem características marcantes, como a beleza de Stéphanie ou o fato peculiar da nossa narradora bisbilhotar por aí como um ratinho preto. O cenário incrível de Giverny - descrito nos mínimos detalhes para o leitor imaginar o laguinho, as ninfeias, os choupos, o moinho e todas as paisagens do vilarejo, além das telas impressionistas – dá à obra um tom original e encantador.

A obra é envolta em mistério e narra a vida dos moradores do vilarejo em meio à um caso de assassinato. Ao longo da narrativa somos impressionados pelo desfecho surpreendente, totalmente imprevisível e diria, até mesmo, inimaginável. Confesso que terminei a leitura aos pouquinhos, para digerir com calma todos os acontecimentos a cada linha.

A capa é linda e logo de cara já ficamos encantados com uma ninfeia. A revisão e a diagramação também estão impecáveis. Ninfeias Negras já é um dos meus livros preferidos e a admiração pelo autor Michel Bussi se tornou enorme, afinal, escrever uma obra assim tão incrível é realmente um dom.








Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

11 comentários:

  1. Ganhei esse livro mas não tive coragem de ler ainda.
    Confesso que o gênero não me agrada muito, mas pelo que ando vendo a história desse livro parece ser bem interessante, com um certo diferencial.
    Fiquei curiosa pra conhecer as histórias dessas 3 mulheres e vou ler em breve, com certeza.
    Gostei bastante da sua opinião, me ajudou a ver melhor a obra :)
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  2. Olá, sempre quis ler esse livro porque me apaixonei pela capa, nunca cheguei a ler a resenha ou de que vá a historia mas lendo agora, me deixou curiosa pra saber essa historia incrivel...agora de onde vem esse nome Ninfeias Negras?? esse nome deixou com aquele ar de curiosidade do significado dela!!

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é sensacional!☆☆☆☆☆
    Logo no começo fiquei arrepiada com a forma sombria e cheia de charadas com que a nossa narradora principal, a velha do moinho, conta a história. Desde o início ela nos fala sobre mortes e que apenas uma das mulheres conseguiu sair do vilarejo. Desde então, ficamos tentando juntar os nós das parcas informações que dispomos. Por sabermos que o lugar realmente existe e que os dados informados sobre Monet e outros pintores são reais, a leitura torna-se ainda mais instigante e a todo momento embarcamos na veracidade dos fatos apresentados.
    A riqueza de detalhes, que são extremamente minuciosos, nos transportam para esse local cheio de beleza e segredos, onde encontramos os famosos jardins de Monet. Após procurar algumas fotos do lugar, constatei que as descrições fazem jus a tamanha beleza. Fiquei encantada.
    Simplesmente recomendo ♡_♡

    ResponderExcluir
  4. Amo livros de thrillers que apresentam trama original e misturam crime,com mistério e suspense.Gostei bastante de saber que Claude Monet e todo seu impressionismo faz parte do cenário,sem contar a presença tão diversificada de personagens distintos que apresentam cada um a sua trama pessoal,além da vítima ser um médico.Que bom que o desfecho foi surpreendente e inimaginável.😘❤

    ResponderExcluir
  5. Oi.
    eu sou muito fã de Thriller e não vejo a hora de ler esse livro, depois da sua resenha estou ainda mais, por que eu adoro quando os personagens são bem construídos e o livro tem uma trama original sem muitos clichês, adoro quando tem mistérios também, por que eu fico ansiosa para descobrir tudo o que vai acontecer a seguir, enfim espero gostar da leitura.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Oi Amanda,
    Ninfeias negras não é nada do que tinha imaginado. O autor trás uma proposta bem diferente, ele uni o suspense a um drama de uma forma intensa e envolvente. Mas o que estou mais intrigada é em como essas três personagens principais se interligam e se elas estão envolvidas, de alguma forma, no assassinato de Jérôme Morval. Fiquei curiosa com o cenário e todas as referencias artísticas inseridas no livro, quase como se o autor estive criando sua própria arte interligando o assassinado com as pinturas. Fiquei com muita vontade de fazer esta leitura!!

    ResponderExcluir
  7. Amanda!
    Adoro thrillers policiais e se bem escritos com um enredo misterioso e cativante, não tem como não desejar a leitura.
    O livro está na minha lista de desejados.
    Gostei de saber que tem histórias paralelas que se fundem a descoberta do assassinato e tem pintura, tema que muito me atrai.
    “Ninguém nasce mulher: torna-se mulher.” (Simone de Beauvoir)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de MARÇO, livros + KIT DE PAPELARIA e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  8. Nao tenho o costume de ler esse genero, mais gosto de um suspense.Mais nao vao negar que se eu pegar um livro desse pra ler eu vou logo no final pra saber o que aconteceu.

    ResponderExcluir
  9. A capa é mesmo encantadora *-*
    Apesar de não ter lido O voo da libélula, os livros desse autor me deixam muito curiosa simplesmente pela sinopse. As resenhas que tenho lido de Ninfeias negras só me faz ter ainda mais vontade de ler.
    Amo suspense, essa "aura" de mistério, desvendar crimes... quando o livro é muito bom assim fico dividida entre ler tudo avidamente e devagarzinho, como você, pra digerir todos os fatos.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Oi Amanda, tudo bem?
    Achei super bem construída a história desse livro. Fico me perguntando, antes mesmo de ler a obra, quem foi o culpado por essa morte. Thrillers policiais são tudo de bom e não vejo a hora de poder comprar o livro.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Estou vendo muitos comentários positivos sobre esse livro e fiquei até curiosa para poder ler essa historia e entende melhor, mas lendo as resenhas vi que esse não é o tipo de historia que irei gostar, não foi um livro que me chamou atenção e despertou aquela curiosidade para saber mais !!

    ResponderExcluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.