✓ Resenha: O Vilarejo - Raphael Montes

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Sinopse: Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome.
As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão.
Título: O Vilarejo
Autor: Raphael Montes
Editora: Suma
Pág. 96
Melhor preço: R$23,20
Classificação: 10 (Excelente!)



O Vilarejo traz uma leitura dinâmica e diferenciada. O livro divide-se em vários contos que se interligam e narram a história de um vilarejo muito frio, em situação precária de fome e abandono, isolado do resto do mundo e habitado por pessoas reclusas.

O prefácio conta que as histórias foram traduzidas de um manuscrito de idioma cimério, deixado por uma falecida senhora. Os cadernos ilustrados de Elfrida Pimminstoffer, que deixou à Ciméria no leste Europeu por causa de uma guerra civil, refugiando-se no Brasil, reúnem a história de um vilarejo com pouco mais de cem habitantes, jamais encontrado no mapa. 

Cada conto se relaciona a um demônio, invocando um pecado capital. No decorrer da narrativa vamos coletando informações sobre o local e seus habitantes. Deparamo-nos com Belzebu – banquete para Anatole – que narra as ações de Felika para sobreviver e salvar seus filhos da fome devastadora, levando a uma situação deplorável. Leviathan – as irmãs Vália, Velma e Volda – mostra um caso de inveja e frieza, mesclando o ciúme de Volda a uma criatividade mórbida adquirida através de histórias de ficção. Lúcifer – o negro caolho – conta a história de um forasteiro negro que enfrenta muito preconceito ao chegar à Vila à procura de suas filhas raptadas após a guerra, mas apenas encontra ira, raiva extrema e brutalidade desnecessária em seus moradores, revidando, é claro, com a mesma moeda.

Ainda temos Asmodeus – a doce Jekaterina – que nos surpreende com um conto pesado sobre estupro, pedofilia e vingança. Belphegor – a verdadeira história de Ivan, o ferreiro – revela a falta de compaixão e empatia de Ivan causado por sua preguiça exacerbada, a ponto de comprar escravas para fazer seu trabalho, interligando seus atos brutais ao negro caolho. Mammon – o porquinho de porcelana da Sra. Branka – leva a avareza ao extremo, destruindo uma família onde o ato de poupar dinheiro para sobreviver aos tempos difíceis sai do controle.

“O frio não é seu pior inimigo. Há também a fome. Desde que a guerra civil recomeçou, o vilarejo ficou isolado, esquecido entre os vales montanhosos, desprovido de abastecimentos. A economia local perdeu força. Reconhecido por sua força, bravura e produtividade na fundição do ferro e do aço, Ivan viu de perto a desgraça devorar a região. Aconteceu muito depressa: a invasão dos rebeldes à capital, o cerco às cidades vizinhas, as tempestades de neve que soterraram trilhos e dificultaram o contato do vilarejo com a civilização.
No início, o desespero e o medo dominaram os habitantes do vilarejo. Agora, passadas pouco mais de nove luas, reinam o silêncio e o conformismo. Muitos morreram nesse meio-tempo. Os sobreviventes esperam trancados em suas casas, numa luta diária, agarrados à esperança de estarem vivos quando o pesadelo terminar”. (p. 56)

Por fim, Satan – um homem de muitos nomes – nos dá a explicação que faltava sobre o desenrolar de cada história e o que estava por trás das barbáries cometidas, preenchendo as dúvidas dos leitores ao contar para Anatole como impulsionou o pecado na vida de cada morador do Vilarejo.

“— Perceba, Anatole, que nunca inseri o pecado ou o mal nas pessoas. O mal já estava lá. Eu apenas o potencializei.” (p. 86)

Temos revelações em cada conto, pois todas as histórias se interligam e complementam os textos anteriores, mostrando detalhes dos personagens ou dos acontecimentos no Vilarejo.
Todos os moradores são pessoas ruins, que cometem atos cruéis e egoístas em benefício exclusivamente próprio. Lidamos com inveja, assassinato, estupro, preconceito, loucura, ganância e a maldade na sua pior forma. São os pecados capitais levados ao extremo do egoísmo humano. Os contos são fortes, assustadores, mórbidos. Temos morte, sangue, canibalismo, dor, muita dor. Temos um Vilarejo podre, mas que apenas narra sobre o mal que vemos diariamente no nosso cotidiano: inveja, ganância, preconceito.

O grand finale, para quem achou que não podia melhorar, vem no posfácio: uma foto reveladora de Elfrida, a dona dos manuscritos. É de prender a respiração e ler o livro todo em apenas um dia. É puro terror, mas com muito suspense e também reflexão: uma obra realmente completa, surpreendente e de arrepiar.

Todo o livro é lindo. A capa, as ilustrações (há gravuras ilustrando cada conto!), a diagramação repleta de páginas pretas, fonte diferenciada e respingos de sangue. O tema é criativo e a leitura flui muito agradável, principalmente pelos contos se complementarem e o leitor ser surpreendido a todo o momento. A escrita é de fácil entendimento, os personagens são bem particulares e o cenário da Vila descrito aos pouquinhos forma uma imagem nítida na mente do leitor. A revisão está impecável, compondo uma obra assustadoramente incrível!



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

18 comentários:

  1. Oiii
    Eu nunca tinha lido nada do Raphael e n nada com tática terror. E esse livro veio como um prato cheio pra mum, kkk, eu fiquei confuso em um cotos. Mas tudo ficou muito lindo. A parte que me de mais medo foi as luta página com a fotografia rsrs
    Abçs
    Passa Lá - http://ospapa-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. adorei a resenha ,não conhecia o livro mas fiquei curiosa acerca do mesmo,parece interessante e com certeza estará nas minhas leituras de 2016... ;)
    danisilva7.wix.com/ldsonhos

    ResponderExcluir
  3. Oiee ^^
    Tenho visto tantas resenhas positivas desse livro *-* Não sou muito fã de contos e nem de histórias de terror e suspense, mas esse livro me parece ser muito interessante, principalmente quando vi que você deu nota máxima. A capa é muito bonita ♥
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olá... Amanda, fiquei completamente sem fôlego ao ler a sua resenha rs... tenho muita vontade de conhecer a escrita do autor... estou com Dias Perfeitos aqui, mas não vejo a hora de ler este que parece bem mais assustador... essa questão dos 7 pecados capitais, chamou muito a minha atenção e fiquei completamente curiosa para saber mais do enredo... Xero!

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu achei a capa desse livro linda. Fiquei até com vontade de ler, mas quando vi o gênero do livro desisti. Não consigo ler livros de terror. Fico impressionada e depois pra esquecer as cenas é dose.
    Adorei a sua resenha, mas essa dica eu passo.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Ainda não li nada do autor, mas vi uma resenha (crítica negativa) esses dias e eu fiquei tipo "PRECISO CONHECER" hehehe Amei saber das gravuras, adoro quando tem.
    -Mari

    ResponderExcluir
  7. Ah!! Esse livro está na minha lista de desejos desde que lançou. E sua classificação para ele foi ainda mais incrível, pois me fez cair de cabeça na leitura da resenha e conhecer um pouco mais sobre O Vilarejo. Caramba! Tem tanta coisa que eu curto nesse livro, nem sei o que dizer... com certeza, estou perdendo tempo em não lê-lo, né?

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
  8. Olha eu ainda não li esse livro e sinceramente nem tive muito interesse em fazer a leitura sabia? Mas tenho visto muita gente falando bem. Não sei se pegaria para ler não. Eu acho que para mim é um pouco pesado sabe? Eu prefiro leituras mais leves. Mas espero que seus outros leitores curtam =]

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/12/resenha-delirio.html?m=0

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Um livro nota 10 em tudo é muito difícil, hein?
    Estou muito ansiosa para fazer essa leitura, pois tenho certeza de que amarei muito e muito. Muito legal a escrita ser fácil e a revisão estar boa, pois são duas coisas que determinam uma boa leitura.
    Adorei sua resenha.
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Amanda, eu sou louca pra ler esse livro do Raphael
    adoro essa temática obscura e sobrenatural, na verdade faz muito tempo
    que não leio nada do tipo e a sua resenha despertou uma grande vontade
    de ler algum livro do gênero.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Eu não sou nem um pouco fã de livros com temática de terror, mas adorei a ideia do Raphael e de apresentar os pecados capitais como demonios. Não é a primeira vez que vejo a representação - Supernatural tem um episódio assim, mas acredito que a forma como o Raphael conta a história deve ser incrível. Se não o livro não teria ganhado nota dez em todos os pontos, não é?
    Mesmo não sendo meu estilo de leituras, estou mais do que curiosa para conhecer esse trabalho do autor :)
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  12. Já li muitas resenhas sobre esse livro e, embora não seja muito o tipo de livro que costumo ler, não consigo não ficar curiosa em relação a ele. Acho a capa belíssima, embora tenha algo de sombrio, que casa muito bem com a proposta do livro, diga-se de passagem. Adorei o autógrafo na folha preta! Acho que vou acabar lendo durante o dia, para não perder o sono. hahaha

    ResponderExcluir
  13. Oi flor, tudo bem?

    Vi duas vídeos resenhas ano passado desse livro e tinha até me animado achando que era apenas de terror, pois as duas blogueiras não se aprofundaram tanto assim, mas mulher, lendo a sua resenha eu arregalei os olhos em cada premissa de um conto, senhor Jesus, acho que não conseguiria ler esse livro não, sou bem medrosa e ficaria olhando para os lados por muito tempo. Mas quem sabe um dia eu mude de ideia e deixe o medo de lado,hahahaha.

    Amei sua resenha, como sempre está limpa e bem escrita.

    bjs

    ResponderExcluir
  14. Olá!

    Não tenho o hábito de ler contos, mas estou ouvindo tantas coisas boas sobre este livro, que já o adicionei a lista de desejado. Principalmente, por se tratar de um livro do Raphael, de quem só ouço coisas positivas, e apesar dele ter um histórico de livros pesados, eu acredito que se eu começa a ler as obras do autor por este livro será melhor.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Li apenas um livro do autor e me apaixonei pela escrita dele. Ainda não tive oportunidade de ler Vilarejo mas sempre leio resenhas positivas sobre essa obra também. Embora fiquei com um pé atrás por se tratar de contos e por isso a história não me agradar tanto por conta do desenvolvimento, espero ler esse livro em breve.

    Bjs, Glaucia.
    www.maisquelivros.com

    ResponderExcluir
  16. Olá, eu amei esse livro, contém uma riqueza de enredo mesmo em tão poucas páginas que me fez virar fã do autor.
    Também achei uma das partes mais surpreendentes a da foto da "dona do livro".
    Nesse livro do Raphael descobrimos que nem sempre o mal é apenas algo sobrenatural, mas muitas vezes já está no próprio ser humano, ele só aproveita a oportunidade para entrar.
    Beijos.

    Giuliana

    ResponderExcluir
  17. Adorei esse livro e fiquei muito surpreendida com o final! O autor dá um show de criatividade! Ótima resenha!!

    http://olhoscastanhostambemtemoseufascinio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Olá :)
    Um livro nota 10 em tudo deve ser no mínimo fenomenal!
    Nunca li nada do Raphael, mas já vi MUITAS críticas positivas. Curto a ideia de pequenos contos que se interligam para dar cara à trama. Gostei de como ele narrou a história e de como o livro prende o leitor. É interessante a mistura do horror em uma trama calma.
    Gostei bastante!

    Beijocas,
    www.segredosentreamigas.com.br

    ResponderExcluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.