✓ Resenha: Um Gato de Rua Chamado Bob – James Bowen

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Sinopse: Quando James Bowen encontrou um gato ferido, enrolado no corredor de seu alojamento, ele não tinha ideia do quanto sua vida estava prestes a mudar. Bowen vivia nas ruas de Londres.Depois de cuidar do gatinho e trazer-lhe a saúde de volta, James Bowen mandou-o embora imaginando que nunca mais o veria. Mas Bob tinha outras ideias. Logo os dois tornaram-se inseparáveis, e suas aventuras divertidas — e, algumas vezes, perigosas — iriam transformar suas vidas e curar, lentamente, as cicatrizes que cada um dos dois trazia de seus passados conturbados.
Autor: James Bowen
Editora: Novo Conceito
Pág. 240
Melhor Preço: R$ 13,86
Classificação: 10 (Excelente!)




James era um dependente químico em recuperação, que trabalhava sozinho tocando nas ruas. Seu passado não é dos mais bonitos e antes de entregar-se à heroína, sofreu bullying e tinha problemas familiares. Mas aparentemente, tudo aquilo estava ficando para trás e logo ele poderia recomeçar sua vida. Definitivamente, a rapidez com que a situação mudou e passou a ser a melhor imaginável deve-se parcialmente a Bob. 

Bob é um gato laranjinha que apareceu machucado no prédio de James, que incomodado e comovido com a situação do animal, passa a cuidar dele. O que ele não podia esperar, era que se apegaria tanto àquela bola de pelos inquieta. Ao fim do tratamento de pele e castração, o rapaz decide devolvê-lo às ruas, depois de buscar seu dono incessantemente. E, mais uma vez Bob o surpreende, ao escolher ficar com o seu novo dono. 

“Aqueles vira-latas eram os destroços e os refugos da cidade, andando a esmo e lutando pela sobrevivência a cada dia. Muitos deles eram como aquele laranjinha: criaturas espancadas e quebradas.
Talvez ele tivesse visto em mim uma alma semelhante.”

Não apenas uma história de amor aos animais, mas também uma biografia. Enquanto narra seu dia-a-dia, James conta um pouco do seu passado difícil entre a Austrália e a Inglaterra, e como haviam sido os últimos anos após estabelecer-se na terra da Rainha. Apesar de passarem boa parte dos primeiros capítulos em clínicas veterinárias, a empatia entre os dois mosqueteiros já começa a aparecer, e sem dúvida aqueles que têm/tiveram animais domésticos muito queridos, vão se animar com os primeiros momentos dessa grande amizade. 

Um fator desse livro que me animou muito é a vida de artista de rua de James. Para sustentar a dupla, ele trabalha tocando guitarra em uma estação de metrô. Quando o gato passa a acompanhá-lo, as pessoas passam a vê-lo com outros olhos, como se ele tivesse tornando-se confiável apenas por ser acompanhado pelo felino fofo. Aliás, Bob passa a chamar mais atenção que a música e as pessoas passam a presenteá-lo. O mais bonito disso, é que James alega não sentir ciúmes e compreender o porquê de todos se encantarem com o laranjinha: até ele mesmo rendeu-se, por que os outros não?

Inclusive, as peripécias do gatinho dão detalhes legais e engraçados. Mesmo com seu comportamento inquieto e esperto, ele acaba correndo em meio a multidões algumas vezes, criando momentos de tensão instantaneamente. Mas sua esperteza também surge quando James fica doente, ao arranhá-lo enquanto dorme para ter certeza de sua vitalidade. 

“Ele estava muito tonto e sonolento, de modo que não me reconheceu por um tempo, mas, quando o fez, ficou de pé e começou a arranhar as portas da gaiola, como se dissesse: ‘Me tira daqui! ’”

A forma como ele encara a rotina do artista, também me impressionou. Têm partes que eles chegam a circular de ônibus e a passear com guia no pescoço! 

Eu já tive dois gatinhos, e ainda tenho um. Sinceramente, enquanto lia este livro minha vontade maior era conhecer o Bob, meu gato que me perdoe! Meus gatinhos sempre foram inteligente, mas não tanto, e ver alguns vídeos sobre a amizade dos dois no YouTube, fiquei com vontade de enviar mais um cachecol para ele, assim como as mulheres faziam na estação do metrô onde ele trabalhava.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

6 comentários:

  1. Oi, ate hoje nunca vi uma resenha negativa sobre esse livro, a premissa me parece muito boa, ainda não li mas espero resolver isso logo. Adorei a resenha.
    Abraços

    http://litaralmentelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem??

    Achei incrível o enredo da história. Sempre fui muito apegada a minha cachorra e volte e meia vemos histórias desse tipo sobre cães... Já com gatos é mais difícil, eles por si próprio já possuem uma personalidade mais individual e não tão dependente, por isso me surpreendi com a história do livro e fiquei morrendo de vontade de ler hehehe

    XOXO
    Umnovo-roteiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oie!
    Sempre via esse livro nas livrarias, mas nunca comprei, pena! A história parece ser bem linda, e assim que possível vou ler!
    Adorei a resenha e o modo de classificação!
    Beijos

    www.notavelleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Eu nunca tive vontade de ler esse livro por não ser chegada a livros com animais
    Sempre me emociono, fico de bode rsrs
    Mas esse me parece divertido mesmo vc falando que é uma biografia
    Talvez um dia eu leia rsrs

    http://malucaspor-romances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. O Bob é realmente um amor, eu amei ele <3
    Eu li este livro já faz um tempo, e é bem biográfico mesmo!

    xoxo
    http://www.amigadaleitora.com/

    ResponderExcluir
  6. Oieee! Tudo bem?

    Primeiramente, amei seu blog, primeira vez aqui e tal e achei lindo, layout muito lindo também. Adorei!

    Sobre a resenha, minha mãe tem este livro e gostou bastante, eu ainda não li. Amo gatos, animais em geral né, mas tenho uma gatinha então sinto um imenso carinho pelos felinos. Parece ser uma linda história de vida, tudo que envolve animais acaba nos emocionando de certa forma. Parece um livro lindo, e o bob, muito fofo!!
    Todos deveriamos ter um pet em nossas vidas, só amor <3

    Beijo! Amei a resenha.

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.