✓Resenha: O Último Passageiro - Manel Loureiro

segunda-feira, 16 de junho de 2014




Sinopse: Agosto de 1939. Um enorme transatlântico chamado Valkirie aparece vazio e à deriva no Oceano Atlântico. Um velho navio cargueiro o encontra e decide rebocá-lo até o porto, mas não sem antes descobrir que nele há um bebê de poucos meses... e algo mais que ninguém é capaz de identificar. Por volta de setenta anos depois, um estranho homem de negócios decide restaurar o misterioso transatlântico e repetir, passo a passo, a última viagem do Valkirie. A bordo, presa em uma realidade angustiante, a jornalista Kate Kilroy busca uma boa história para contar. Mas acabará descobrindo que somente sua inteligência e sua capacidade de amar podem evitar que o transatlântico pague novamente um preço sinistro durante o percurso. Inquietante. Enigmático. Viciante. Bem-vindo ao Valkirie. Você não poderá desembarcar…mesmo se quiser. 

Título: O Último Passageiro
Autor: Manel Loureiro
Editora: Planeta
Pág. 384
Melhor preço: R$30,52
Classificação: 9,6 (Excelente!)


O Último Passageiro é uma história e tanto. Eu ainda não havia lido nenhuma história sobre navios assombrados, apesar de já ter assistido a alguns filmes, mas o que posso dizer é que esse livro não deixa nada a desejar, pelo contrário, contém uma trama incrível e uma série de acontecimentos muito bem elaborados, até mesmo complexos, que envolvem desde nazismo e assassinatos a sangue frio a distorções espaços-temporais, fantasmas e Pulsa Denura, magia negra que significa Invocação das Sombras.

Primeiramente conhecemos a história do Pass of Ballaster, um navio carvoeiro a bordo do mar Atlântico, em agosto de 1939. Durante a madrugada alguns estranhos acontecimentos ocorrem: o rádio para de funcionar, a bússola começa a apresentar problemas, além de uma neblina espessa que envolve o navio. Sucessivamente, o capitão Tom McBride avista um enorme navio a deriva com as luzes totalmente apagadas, o Valkirie. Como os marinheiros não conseguem fazer contato com o navio, resolvem ir até ele. E aí nos deparamos com um navio totalmente vazio e frio, sem nenhum passageiro a bordo, repleto de um absoluto silêncio. Mais estranho que isso? Saber que todos os botes ainda estavam no navio.

“Uma sensação de urgência se esgueirava lentamente dentro dele. Sentia sua pele se arrepiar, e não era só de frio. Ali fora havia algo. Podia sentir.” (p. 17)

Os marinheiros descobrem que o Valkirie era um navio alemão, pois havia o desenho de suásticas no salão e bandeiras com a sigla KDF (que pertencia a uma organização nazista) e que havia saído do porto há cinco dias. Para piorar a situação, ouvem estranhos barulhos e o mais inesperado é que há um bebê judeu sozinho na pista de dança. Onde estariam todos os passageiros? O que havia ocorrido com aquele navio? O que fazia um bebê judeu sozinho em um navio nazista? Apesar do mistério, os marinheiros só têm tempo de pegar o bebê e voltar o quanto antes ao Pass of Ballaster, após uma série de acontecimentos assustadores.

A outra parte da história se passa atualmente, em Londres. Conhecemos Kate, a jornalista viúva que recebe a proposta de investigar Feldman, um mafioso, dono das maiores casas de apostas on line e que estava reformando o Valkirie. Mas qual seria seu interesse em lançar novamente ao mar um navio de mais de 70 anos?

Kate passa a investigar a história de Valkirie e descobre que o capitão do Pass of Ballaster havia cometido suicídio e que o único marinheiro que ainda estava vivo havia enlouquecido. Mais um mistério para a lista? Feldman é nada mais nada menos que o bebê que foi encontrado no navio.

“O Valkirie foi um dos primeiros navios que pertencia diretamente à organização. Foi construído em Hamburgo, mas quase todos os documentos relacionados a ele ou à KDF se perderam durante os bombardeios aliados sobre a Alemanha na Segunda Guerra Mundial. Não se sabe nada sobre esse transatlântico, exceto que o encontraram flutuando no oceano, sem rastro da tripulação nem dos passageiros. É um mistério.” (p. 88)

O autor mescla a trama sobrenatural com assassinatos repletos de violência e minuciosamente detalhados, ligados a Wolf und Klee, uma organização de adeptos ao nazismo que também desejavam colocar as mãos no Valkirie. Muita coisa ocorre até Kate se juntar a Feldman e conseguir embarcar no navio, após ser completamente restaurado, junto com sua tripulação de cientistas. 

O Valkirie volta ao mar na mesma data após 70 anos do ocorrido. Os cientistas discutem sobre campos eletromagnéticos e desaparecimento da tripulação de navios e aviões, a fim de desvendarem o que possa ter ocorrido com o navio em sua primeira viagem. A bordo do Valkirie, entretanto, tudo pode ocorrer: mortes, visões de fantasmas, inclusive de Robert, visões de acontecimentos de 1939, até a presença de uma sombra ‘escura, faminta e maligna’. Sem mencionar que quase toda a tripulação começa a agir como se estivessem em 1939. Vozes dentro da mente, nariz sangrando e dores de cabeça são apenas os primeiros sinais de que a sombra estava por perto.

No decorrer da viagem percebemos que a realidade atual e a realidade de 1939 tentavam ocupar o mesmo espaço e o próprio navio estava eliminando todos os rastros do século XXI. Mas algo nessa viagem havia mudado uma espiral de acontecimentos que se repetiam de maneira contínua desde 1939.

“Não saberia dizer o que era, mas algo apareceu no limiar, e sua silhueta se recortou no vão da porta. Kate só pôde distinguir uma forma vaga. Parecia remotamente humano, mas não era uma pessoa, pelo menos não se movia como uma pessoa. Aquela coisa deslizava simultaneamente pelo chão e pelas paredes, mesmo que isso fosse impossível. E por mais difícil que pudesse parecer, era ainda mais tenebroso que a penumbra que a cercava. Sem dúvida, era a coisa mais sombria que Kate jamais havia contemplado.
Um buraco negro devia ser parecido. Um poço profundo de trevas que absorve toda a luz que comete a imprudência de passar ao seu redor.” (p. 226)

A trama é repleta de suspense e mistério. O autor mescla muito bem os acontecimentos sobrenaturais, com terror, assassinatos e todos os demais pontos fortes da trama. Até cenas eróticas temos no Valkirie. A leitura é envolvente e prende a atenção praticamente do início ao fim.

A capa tem um clima fantasmagórico que já me atraiu a primeira vista. Nela temos um retrato do navio onde podemos notar o carrinho de bebê e uma suástica. Os cenários são bem caracterizados, sendo todos os locais do navio bem detalhados. A diagramação é ótima, assim como a revisão. Não conhecemos muito bem todos os personagens, o que talvez tenha deixado a desejar, porém, tendo em vista todos os mistérios do livro, não descarto a hipótese de ter sido algo proposital.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

9 comentários:

  1. Ualll lendo a resenha nao teve como nao lembrar do filme navio fantasma , gostei muito ,mesmo nao lendo muitos livros de terror fiquei com vontade de ler esse .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Eu também lembrei do filme logo que vi o livro rs, vale muito a pena ler, é realmente fantástica a história! E com muito suspense claro rs
      Bjs!

      Excluir
  2. Oi Amanda!

    Nossa! Quero já! kkkkkk Com certeza entra para minha listinha de desejados! Adorei sua resenha e ainda mais pelo enredo envolver mistério, nazismo e magia! To encantada aqui! Parabéns!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ana Paula!
      Esse livro é realmente demaais, entrou na lista dos meus preferidos! *-*
      Obrigadaa ^^
      Bjs!

      Excluir
  3. Que bacana esse livro, eu não tinha ouvido nem lido nada a respeito dele, mas eu fiquei apaixonada com o suspense, mistério e também os detalhes ^^ preciso desse livro.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Larissa!
      O enredo é cheeeio de suspense e mistério, eu fiquei louca querendo desvendar todos logo! rsrs
      Bjs!

      Excluir
  4. Ola
    Uau, impossivel que essa capa nao prenda totalmente nossa atençao!! acredito que quem é fa do estilo deve ficar atraido logo de cara. Eu, so pela resenha, tive certeza que nao faria meu tipo :/ me conheço e sei que o unico genero que n me agrada é o terror kkkkk
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      É bem isso mesmo, eu só pela capa e pela sinopse já fiquei doida pra ler, adoroo suspense e mistério! rs.. E também tem alguns trechos sobrenaturais *-*
      Bjs!

      Excluir
  5. Eu li o livro, estava super empolgado, mas a história não me convenceu muito. Apesar de uma história boa, não surtiu o efeito que achei que surtiria. Na verdade das 386 páginas, acho que dava pra deixar de fora umas 120 e aí sim o livro ficaria excelente.

    De 0 a 10, minha nota fica em 7,5. Não achei o livro de Terror, muito menos de grande suspense. Na verdade teve muita coisa que era totalmente previsível, mas para mim, o que realmente não colou na história é a parte do sexo com o fantasma do Robert. Sem falar no excesso de descrição das cenas de sexo. Me senti lendo um pornô nessas páginas HEUAHUAHEAHH

    Mas fora isso a história tem seu merecimento e pelo menos faz sentido o título do livro, porque já aconteceu de eu ler alguns livros que o título nada tem a ver com a história.

    ResponderExcluir

Por Dentro


© Fundo Falso - 2016. Todos os direitos reservados | não responsivo, melhor visualizado no Google Chrome.
Design e programação por Andréa Bistafa | Ilustração original de Marciano Palácio | Tema base: Blogger | Versão 4.0 | Blog no ar desde 11.01.2011.